Autoridade Marítima e Marinha alertam para ondulação forte até sexta-feira

Autoridade Marítima e Marinha alertam para ondulação forte até sexta-feira

849
PARTILHE
mar revolto
Autoridades recomendam redobrada atenção à comunidade piscatória e da náutica de recreio que se encontra no mar

A previsão do estado do mar na costa oeste do Continente sofrerá novo agravamento gradual a partir desta terça-feira à tarde, sendo expectável que se mantenha alteroso até à madrugada de sábado.

Conforme explica a Autoridade Marítima, “esta previsão agrava-se esta quarta-feira e quinta-feira, com ondas que podem chegar aos sete metros de altura em alto-mar, o que originará forte rebentação junto à costa oeste de Portugal Continental”.

Assim, a Autoridade Marítima Nacional e a Marinha reforçam a recomendação, em especial à comunidade piscatória e da náutica de recreio que se encontra no mar, “o eventual regresso ao porto de abrigo mais próximo e a adopção de medidas de precaução, bem como outras informações das capitanias dos portos sobre as condições de acesso aos portos, evitando sair para o mar até que as condições melhorem”.

À população em geral que frequente as zonas costeiras ao longo de toda a faixa litoral oeste do Continente, aconselha-se que “até ao final de sexta-feira se abstenham da prática de passeios junto à costa e nas praias, bem como da prática de actividades lúdicas nas zonas expostas à agitação marítima, sendo essencial que assumam uma postura preventiva não se expondo desnecessariamente ao risco”.

Caso exista absoluta necessidade de se deslocar até à orla costeira, “deverá manter-se uma atitude vigilante e ter sempre presente que nestas condições extremas o mar pode facilmente alcançar zonas aparentemente seguras”.

A Autoridade Marítima aconselha muito em particular os pescadores lúdicos de pesca à cana para que “assumam extrema cautela, evitando pescar junto às falésias e zonas de arriba nas frentes costeiras atingidas pela rebentação das ondas, tendo sempre presente que o mar nestas situações extremas alcança muitas vezes zonas aparentemente seguras”.

Facebook Comments

Comentários no Facebook