O presidente e a grande mudança no país

O presidente e a grande mudança no país

385
PARTILHE

 

A OPINIÃO de JOSÉ GONÇALVES VIANA Ex-secretário de Estado das Pescas
A OPINIÃO de JOSÉ GONÇALVES VIANA
Ex-secretário de Estado das Pescas

Do ponto de vista de gestão a História de Portugal divide-se em duas partes distintas: a primeira desde a fundação até à morte de D. João II durante a qual os responsáveis pelos destinos do País praticaram uma gestão pró-activa e inclusiva, a segunda até hoje em que os responsáveis praticaram uma gestão reactiva e extractiva o que explica o que aconteceu com os territórios herdados da primeira fase e com todos os enormes atrasos que fomos acumulando e agora com os acontecimentos dramáticos das consequências dos incêndios e da seca.

E digo consequências porque os problemas não advêm dos inevitáveis incêndios mas dos erros de gestão que originaram aqueles. E também pela deficiente análise dos factos que levou à demissão de uma Ministra mas de nenhum autarca embora todos eles fossem igualmente responsáveis pela ineficácia da prevenção.

Portanto quando o Presidente da República na sua alocação do ano insistiu na necessidade imperiosa de mudança não posso deixar de pensar que se está a referir ao abandono imediato da gestão reactiva e extractiva que a revolução de Abril não alterou e a adopção da gestão pró-activa e inclusiva que deverá praticada não só pelo Governo mas por todos os Órgãos de Soberania, Autarquias e Partidos Políticos.

Comentários no Facebook