Querida Mãe

Querida Mãe

699
PARTILHE

 

Carla Patrocinio
Carla Patrocínio Socióloga Coach parental www.meusfilhosmeusmestres.com

“Só queria ter uma fa­mília normal”.

Este foi o sonho que uma mãe verbalizou comigo num momento de grande vulne­rabilidade. Só queria ter uma família normal. Aquele sentir ressoou em mim de uma forma muito profunda. Também eu durante muitos anos tive este anseio. Na minha família de origem e agora na família que criei. Uma família normal…

E a propósito desta épo­ca: recordo-me também do meu desejo de querer ter um Natal normal.

Mas o que é normal, afinal?

- Pub -

Cada um terá o seu conceito de normalidade.

Para mim a família normal era aquela que nunca discu­tia, que existia sempre har­monia, que as crianças não faziam barulho, que estavam todos sentados à mesa a rir, que se davam todos bem, que as conversas eram pacíficas, enfim, que o caos e a sombra não existiam.

Para mim um Natal normal era uma mesa cheia, muitas prendas, muita alegria, muita harmonia, muitos olhares ca­rinhosos, muito amor, aliás, só amor. Não existia barulho, conflito, caos, desarrumação.

Mas hoje sei. Hoje sei que isso não existe. Hoje sei que famílias normais, pelo menos com o significado que lhes atribuo, não existem. Percebi: confundia x com perfeição.

Esta última semana antes do Natal tinha imensos mimi­nhos para os que me acompa­nham mas não consegui fazer nada. Estava com imensos pla­nos. Tinha várias coisas para fazer. Metas para cumprir. Na­tal para preparar. Coisas boas para criar. Mas o meu Mestre mais pequenino ficou doen­te. Ainda tentei mesmo assim. Ainda tentei. Mas ele chegou perto de mim e literalmente fechou-me o computador de forma violenta. Olhei para ele tentando não me levar pelo meu ego, ouvindo somente aquele lugar – o do Amor. E pronto, aí percebi. Vou entre­gar-me. Vamos lá estar inteiri­nhas para esta época e para os meus Mestres. Inteiras para o que vier. E não só para a Perfei­ção. Leia-se: para a harmonia.

Carla Patrocinio
Deixar o modo ‘fazer’ e passar a simplesmente ‘ser’ é a proposta da socióloga Carla Patrocínio neste ensaio sobre a família

Hoje fiz um compromisso de Inteireza comigo mesma para desfrutar desta época de forma plena. O compromisso foi este:

– esta época liberto-me do meu conceito de perfeição e abraço os momentos de caos, conflito, desarrumação, can­saço, discussão que eventual­mente possam vir. Esta época acolho tudo o que vier sem jul­gamentos. Esta época faço me­nos, sou mais, desfruto mais.

O meu desejo é então este – que possas viver o Natal com Inteireza. Aceitando o que vier. O que vier que estejas presen­te. Deixa o modo ‘Fazer’ e simplesmente Sê. Sê sem jul­gamentos. Sê dando-te colo e verdade. Que seja um Natal perfeito na sua imperfeição. Inteiro.

Se quiseres abraçar de for­ma consciente esta Inteireza agenda uma sessão estratégica gratuita comigo: www.carla­patrocinio.com/agendar.

Facebook Comments

Comentários no Facebook