Alcoutim avança com ETAR que ficou sem financiamento por água ser boa

Alcoutim avança com ETAR que ficou sem financiamento por água ser boa

226
PARTILHE
alcoutim
ETAR de Montes do Rio ficou sem financiamento comunitário por a água do Rio Guadiana ser boa

A Câmara de Alcoutim vai avançar com a construção da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Montes do Rio, obra que ficou sem financiamento comunitário por a água do rio Guadiana ser boa, disse o presidente do município.

Osvaldo Gonçalves explicou à Agência Lusa que o projecto da ETAR de Montes do Rio, situada na freguesia de Alcoutim e orçada em cerca de 170 mil euros, aspirou a um co-financiamento comunitário de 70%, mas a candidatura ao Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recurso (PO SEUR) foi rejeitada com base num critério definido pela Agência Portuguesa do Ambiente sobre a qualidade da água a jusante do equipamento a construir.

O autarca disse tratar-se de uma obra que “transitou do anterior executivo” e cujo desenvolvimento estava sob tutela da Águas do Algarve, mas a empresa “acabou depois por não executar a ETAR”, infra-estrutura que Osvaldo Gonçalves qualificou como “fundamental” para “uma ponta de linha de uma rede de saneamento”.

“Não fazia sentido estarmos a pôr o saneamento a funcionar sem termos a ETAR, mas foi o que aconteceu”, criticou o presidente da Câmara de Alcoutim, localidade do distrito de Faro situada a cerca 95 quilómetros a nordeste da capital algarvia.

etar alcoutim
Contrato de empreitada para a construção da ETAR de Montes do Rio já foi assinado

O autarca contou que quando tomou posse para o seu primeiro mandato na Câmara, em 2013, houve a possibilidade de candidatar a ETAR a fundos PO SEUR e a Câmara fê-lo, “assumindo a adjudicação e execução dessas obras”, observou.

“Mas o PO SEUR tem um critério, que tem a ver com um parecer da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que determina que as águas a jusante da ETAR têm que ter uma classificação inferior a bom para que seja elegível para esse financiamento. Ou seja, se as águas que temos, neste caso do rio Guadiana, tivessem um índice inferior a bom, a APA daria parecer e isso seria um critério de valorização da candidatura. Sendo bom ou superior a bom, o parecer foi negativo e a candidatura rejeitada”, lamentou.

Câmara anunciou a assinatura do contrato de empreitada para a construção da ETAR de Montes do Rio

A Câmara anunciou esta quinta-feira, 15 de Fevereiro, a assinatura do contrato de empreitada para a construção da ETAR de Montes do Rio e o presidente da autarquia garantiu que o equipamento vai ser uma realidade “quer haja ou não financiamento comunitário”.

Apesar de haver possibilidade de voltar a candidatar o projecto a fundos comunitários, no âmbito de um segundo aviso do PO SEUR, Osvaldo afirmou que a “obra está adjudicada” e que a câmara vai “avançar com ela”.

“Se houver financiamento, dá muito jeito e seria até uma questão de justiça. Mas podemos avançar e dentro de 15 dias, três semanas ou, no máximo, um mês, pode começar a obra”, acrescentou.

Questionado sobre o impacto de assumir o custo total da obra nas contas municipais, Osvaldo Gonçalves reconheceu ser “necessário definir prioridades” e que, “num ano normal”, esse valor representa “20% do montante global que a Câmara tem para investimento” e que é de “entre 800 mil a um milhão de euros”.

“O saneamento já existe, já está feito, e agora o que faltava era terminar essas obras de com a conclusão em linha de ponta de uma ETAR, para que seja feito o tratamento dessas águas residuais recolhidas pela rede”, argumentou, justificando a opção com a “melhoria da qualidade de vida, bem-estar e saúde” da população.