Leitura da Semana: 1933 foi um mau ano, de John Fante

Leitura da Semana: 1933 foi um mau ano, de John Fante

592
PARTILHE
A rubrica Leitura da Semana é publicada semanalmente à terça-feira; Paulo Serra é doutorado em Literatura na Universidade do Algarve e investigador do CLEPUL
A rubrica Leitura da Semana é publicada semanalmente à terça-feira;
Paulo Serra é doutorado em Literatura na Universidade do Algarve e investigador do CLEPUL

John Fante não alcançou reconhecimento em vida, mas é hoje considerado um dos grandes autores da sua geração, notabilizado por Charles Bukowski o ter considerado como seu mentor.

É um pequeno livro, com cerca de 100 páginas, cujo discurso entre o lírico e o prosaico fazem desta obra uma pérola literária. Não falta uma boa dose de ironia e de humor, face às situações mais caricatas vivenciadas e provocadas pelo jovem herói. Com 17 anos, a um ano de terminar o liceu, Dominic Molise está desejoso de sair de casa e poder perseguir os seus sonhos.

O leitor vê-se dividido entre a simpatia para com um protagonista que almeja perseguir livremente os seus sonhos, e sair da tacanhez da sua vida familiar, e a condescendência, face a um jovem que acredita cegamente que será uma grande estrela do basebol. É absolutamente delicioso a forma como Dominic fala com «o Braço».

john fante
O escritor John Fante, autor do livro ‘1933 foi um mau ano’

Este livro é ainda o retrato de uma América em crise, no tempo da Grande Crise Económica dos anos 30, e de como um jovem acredita poder romper com o convencionalismo e as limitações a que as suas origens o parecem obrigar, enquanto descendente de emigrantes italianos.

- Pub -

Por muito breve que seja a leitura, há imagens e situações inesquecíveis, além de personagens absolutamente deliciosas, como a avó que passa a vida a resmungar em italiano, traduzida pelo neto, e que guarda o açucareiro com a vida ou a mãe que diz ter visto a Virgem Maria no galinheiro do quintal.

1933 fante
A capa do livro de John Fante

O autor nasceu em 1909, em Denver, no Estado do Colorado. Começou a escrever em 1929 e viu o seu primeiro conto publicado em 1932.

Em 1938, publicou A Primavera há-de chegar, Bandini, o primeiro romance da saga de Arturo Bandini, que inclui ainda Estrada para Los Angeles, Pergunta ao pó e Sonhos de Bunker Hill. Atingido pela diabetes em 1955, ficou cego em 1978 e foram-lhe amputadas as duas pernas dois anos depois. Contudo, John Fante não parou de escrever, ditando os textos à mulher. Sonhos de Bunker Hill, o último volume da saga de Arturo Bandini, foi terminado desta forma, em 1982, um ano antes da morte do autor, aos 74 anos.

Comentários no Facebook