Partos sem pediatra em Portimão puseram ‘em risco a vida’ de bebés

Partos sem pediatra em Portimão puseram ‘em risco a vida’ de bebés

1299
PARTILHE
parto2
Sindicato responsabiliza a gestão do hospital de Faro por se terem realizado partos sem pediatras no hospital de Portimão (Foto: DR)

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) do Algarve responsabilizou esta quarta-feira, 21 de Março, a gestão do hospital de Faro por se terem realizado partos sem pediatras no hospital de Portimão, no sábado, pondo “em risco a vida de recém-nascidos”.

O SIM manifestou a sua “enorme preocupação” por esses partos terem acontecido “sem que estivessem garantidas as condições mínimas para que tal sucedesse”, porque foi necessário fazer uma cesariana e reanimar um recém-nascido sem a presença de um pediatra, denunciou.

“A ausência de pediatras no serviço de urgência e no hospital, teria levado a um desfecho fatal, não fosse a intervenção do anestesista que, perante uma situação crítica, procedeu à reanimação da criança, embora a sua obrigação fosse para com a mãe (anestesiada), sendo que a função de reanimar o recém-nascido, pela sua especificidade, compete ao pediatra”, realçou o SIM do Algarve num comunicado.

A mesma fonte classificou como “lamentável” que se tenha posto “em risco a vida dos recém-nascidos, no hospital de Portimão, pela incapacidade e pela irresponsabilidade de quem gere o hospital”.

“É de tal modo gritante essa inépcia, que o Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) recentemente apenas abriu concurso para um pediatra, quando necessita de 14”, argumentou.

O SIM questionou-se sobre as razões “na origem desta poupança cega e insensata”, perguntando-se se será pela “incompetência”, e defendeu que a situação verificada em Portimão “demonstra o falhanço total quer do conselho de administração do CHUA, quer do conselho directivo da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve”.

O sindicato considerou que o CHUA e a ARS “não acautelarem de forma responsável, como lhes deve competir, as necessidades da região e dos algarvios”, designadamente os do barlavento, servidos pelo hospital de Portimão e que, segundo o SIM, têm “direito a ter as condições adequadas para que os seus filhos nasçam com a mesma segurança relativamente a qualquer outra parte do país”, avança a Lusa.

O caso da falta de pediatras no hospital de Portimão já foi noticiado por vários órgãos de comunicação social nos últimos dias.

Facebook Comments

Comentários no Facebook