O Brasil entre as cinzas da memória…

O Brasil entre as cinzas da memória…

151
PARTILHE

 

A OPINIÃO de MARIA LUÍSA FRANCISCO Investigadora na área da Sociologia luisa.algarve@gmail.com
A OPINIÃO de MARIA LUÍSA FRANCISCO
Investigadora na área da Sociologia
luisa.algarve@gmail.com

Depois da crónica do mês passado sobre o incêndio em Monchique, não pensava voltar a escrever sobre um incêndio, mas quem é que fica indiferente ao desaparecimento de um património riquíssimo, que implicou a perda de 200 anos de história comum e um espólio com cerca de 20 milhões de peças?

Quando a história, a ciência e a cultura ardem, seja em que país for ficamos todos mais pobres.

Ao ver na televisão as impressionantes imagens do Museu Nacional do Brasil a arder, senti uma enorme tristeza, não só por não ter visitado aquele que se tornou no maior museu de História Natural e Antropologia da América Latina, quando há alguns meses estive no Rio de Janeiro, mas principalmente por perceber que se perdeu uma parte da história de Portugal no Brasil.

- Pub -

Num domingo à noite (a tempo das más “notícias” mediáticas de segunda-feira), no início da semana em que se celebra a proclamação da independência nacional e em tempo de campanha eleitoral…o sucedido impõe-se-nos como um reflexo incontornável do Brasil actual!

Há informação sobre a existência de alguma tecnologia de ponta no Brasil, no entanto ocorreram nos últimos anos pelo menos oito grandes incêndios (como refere a agência brasileira Globo) que consumiram prédios que guardavam acervo com valor artístico, histórico e científico.

Não se trata de um pequeno museu, mas de um grande museu do Estado Brasileiro. E mesmo que fosse um pequeno museu, o património tem de ser conservado como um legado para as gerações futuras e não deixado ao abandono.

Museu Nacional do Rio de Janeiro

Certamente todos esperamos que os governantes tirem ilações e que não voltem a acontecer tragédias destas. Segundo regras de segurança gerais, edifícios desta importância devem estar apetrechados com segurança adequada e nos locais onde estejam armazenadas obras ou peças de interesse para o património histórico e cultural, deve ser assegurada protecção adicional. Será que o Estado Brasileiro não consegue ter sistemas automáticos de detecção e extinção de incêndio, em particular com extintores adequados à preservação do património? Será que não consegue ter sistemas de controlo de fumo, bocas de incêndio e portas resistentes ao fogo?

A história recente e actual do Brasil não parece tanto a de um país em desenvolvimento com Ordem e Progresso, mas antes a de um Museu em chamas!

A forma como um país cuida das crianças, dos velhos, dos animais, da natureza e do passado diz tudo sobre esse país.

Ocorreu-me uma frase de origem indígena que refere que “quando morre um velho, é como se morresse uma floresta”, neste caso não morreu a floresta, o parque nacional da Boa Vista, que rodeia o Museu, não foi danificado, mas morreu o velho que é como se fosse o Museu e todo o arquivo histórico.

O Museu Nacional do Rio de Janeiro preservava a memória viva da estreita relação entre o Brasil e Portugal. E porque Portugal é um país solidário irá certamente empenhar-se, através dos Museus Portugueses e do Ministério da Cultura, na ajuda à reconstrução desse Museu.

Várias entidades referiram publicamente a possibilidade de oferta de peças que representem a relação entre Portugal e o Brasil. Acredito que noutros museus do Brasil, como em Portugal, há peças para oferecer, muitas talvez não estejam expostas ou estejam em depósito.

O futuro fica comprometido quando o passado é esquecido ou destruído. O futuro é feito da memória, do respeito pela herança e raízes comuns e pela salvaguarda do património cultural. Estas premissas têm de estar presentes em qualquer país que se queira considerar civilizado.

(Artigo publicado no Caderno Cultura.Sul de Setembro)

Facebook Comments

Comentários no Facebook