Exposição de Carlos No inicia projecto da Artadentro no Museu Municipal de...

Exposição de Carlos No inicia projecto da Artadentro no Museu Municipal de Faro

234
PARTILHE

 

 

 

Obra que pode ser apreciada no Museu Municipal de Faro (Foto: D.R.)

A instalação/escultura Estais, de Carlos No, que está patente no Museu Municipal de Faro, iniciou o ciclo de arte contemporânea A Arte Faz Bem?, um projecto Artadentro em colaboração com o Município de Faro e o Museu Municipal de Faro.

- Pub -

A obra escultórica de Carlos No é essencialmente caracterizada pela reflexão crítica sobre temas de relevância social, nomeadamente os relacionados com o desrespeito dos direitos humanos: situações de injustiça, ausência de liberdade, exploração e abuso de poder, etc. Trata-se portanto, de um projecto artístico que utiliza a linguagem da arte como ferramenta de intervenção e sensibilização pública para problemáticas de interesse geral. 

Em Estais — forma do verbo estar, ou termo náutico que designa os cabos que fixam a mastreação —, Carlos No apresenta um projecto site-specific, que aborda a um tempo dois problemas actuais relevantes, embora de natureza diferente: por um lado um flagelo cíclico anual; por outro, uma espécie de bloqueio atávico que nos impede de, atempadamente, solucionarmos fenómenos perniciosos sobejamente identificados e com remédio conhecido e comprovado. 

A Arte Faz Bem?, é um novo ciclo de arte contemporânea com início no corrente mês de Outubro e que decorre até Maio de 2019, com curadoria da Artadentro, realizado em colaboração com o Museu Municipal de Faro e apoiado pelo Município de Faro. É, essencialmente, mais um passo no sentido da sensibilização pública para a relevância social da actividade artística, nomeadamente no campo da arte contemporânea, correspondendo às necessidades da actualidade farense.

A instalação/escultura de Carlos No pode ser apreciada até ao próximo dia 18 de Novembro, de terça a sexta-feira, das 10 às 18 horas; ao fim-de-semana, das 10:30 às 17 horas.

Sobre o artista

Carlos No é um “artista cuja obra plástica caracteriza-se essencialmente pela expressão de uma preocupação crítica face a temas relacionados com o desrespeito dos Direitos Humanos nomeadamente no que se refere a situações de injustiça, ausência de liberdade, exploração e abuso de Poder”.

O artista “recorre a imagens, textos e objectos que utiliza mediante um dispositivo de confrontação de sentidos, como forma irónica de transmitir o seu ponto de vista sobre os assuntos em questão, explorando conceitos como os de Poder, Justiça, Exclusão, Identidade”. 

Carlos No (Lisboa, 1967), vive e trabalha na Ericeira, fez a sua formação em pintura e escultura no Ar.Co. em Lisboa. Expõe desde 1991, e a sua obra integra colecções institucionais e particulares em Portugal, bem como colecções particulares na Alemanha, Bélgica, Brasil, Espanha, Finlândia, França, Hungria, Macau, México, Países Baixos, República Checa e Suécia. Actualmente é representado pelas galerias: Galeria Sete (Coimbra), Galeria Arthobler (Zurique, Suíça), a Galeria Elizabeth Couturier (Lyon, França) e a Galeria Maaret Finnberg (Turku, Finlândia).

 

Facebook Comments

Comentários no Facebook