Os cuidados a ter com o pé diabético

Os cuidados a ter com o pé diabético

585
PARTILHE

 

Podologista responsável
pelo Centro Clínico do Pé

“Pé diabético” é a designação dada aos diversos problemas que ocorrem no pé devido a complicações da doença da diabetes. O pé diabético caracteriza-se pela ausência de sensibilidade, debilidade articular e muscular, o que resulta na instabilidade do mesmo. Esta instabilidade está associada à falência de mecanismos de protecção intrínsecos e à ausência de sensibilidade perante as agressões extrínsecas, factores que aumentam o risco de aparecimento de hiperpressões, deformações e ulcerações.

Perante a instabilidade e o elevado risco do pé é importante escolher calçado adequado, uma vez que o calçado inadequado é o principal factor responsável por alterações e/ou lesões. O calçado para diabéticos designa-se por semi-ortopédico de prevenção e deve apresentar características como uma largura, comprimento e altura correctos, bem como uma correcta adaptação ao pé. Para além disto, é também importante ter atenção aos materiais do sapato, da sola e da palmilha.

Assim, é imprescindível que a base do sapato tenha uma largura correspondente à do pé, uma biqueira larga, alta e arredonda, um corpo confeccionado com materiais macios e sem costuras internas, um calcanhar estável, atacadores ou tiras de velcro, uma sola entre 0,5mm e 1 cm e um salto estável inferior a 2cm para os homens e 4 cm para as mulheres. O pé não deverá estar nem constrito nem folgado ao caminhar.

Um calçado com estas especificidades evita que se reúnam condições propícias ao aparecimento de lesões ou alterações no pé, como posicionamentos viciosos que possam contribuir para a deformação dos dedos, unhas encravas, hematomas, zonas de fricção ou um ambiente quente e húmido propenso à propagação de fungos e bactérias.

Esta escolha de calçado deve ser cuidada, sendo por isso imprescindível o aconselhamento por parte de um podologista, nomeadamente se existir ausência de sensibilidade, apoio incorrecto, pressão excessiva ou deformação no pé. Mesmo depois do aconselhamento e com o doente bem calçado, o podologista deve avaliar todas as zonas do pé sujeitas a traumatismo e confeccionar sistemas de alívio e pressão. As ortóteses de silicone e as ortóteses plantares podem ser utilizadas para prevenção das lesões.

Facebook Comments

Comentários no Facebook