Faltas justificadas pela morte de um animal de estimação

Faltas justificadas pela morte de um animal de estimação

435
PARTILHE

 

Susana Santos, professora

Nada há de mais certo na nossa fugaz existência do que a certeza absoluta de que um dia tudo findará e que a nossa entidade física será devolvida ao planeta, podendo ou não, perpetuar na memória de quem nos sucede. Falar das proezas da vida é algo fácil e prazeroso, já a morte acarreta em si uma realidade dura, fria e sombria! O medo do desconhecido, a perda, a ausência, ferem brutalmente a alma de quem a sente, dilaceram a alegria dos dias, trepidam a nossa racionalidade, ainda que haja quem acredite que poderá existir “uma vida depois da morte”, o que poderá servir de bálsamo apaziguador do espírito. E se a partida de um ente querido é respeitada pela sociedade como um dos momentos mais difíceis vivenciados durante a nossa estadia terrena, havendo mesmo um regime jurídico de faltas para que um trabalhador possa justificar o seu período de luto, o mesmo não acontece no que respeita a outros membros da nossa família – os nossos amados animais de estimação.

Apesar do crescente número de denúncias por maus tratos a animais, creio ser evidente uma gradual preocupação social no que confere a defender a integridade física e psicológica dos mesmos, talvez por existir um maior esclarecimento acerca das suas necessidades e por estarmos mais atentos às situações que nos rodeiam. Segundo a Declaração de Cambridge está devidamente comprovado e fundamentado que os animais são seres sencientes e que, tal como nós, sentem medo, alegria, fome, frio, amor, angústia, tristeza ou dor. Mas, se estes parecem começar a fazer parte integrante das famílias consagrando-se como uma presença insubstituível nas nossas vidas e ocupando um lugar muito importante e especial nos nossos corações, como pode a nossa constituição portuguesa considerar ser possível ficar insensível ao seu desaparecimento? Como é que a angústia sentida durante esse momento não constitui por si só justificação mais do que suficiente para o recolhimento da alma?

Quem já passou pela experiência sabe o quão dolorosa esta consegue ser, além de se manifestar como muito similar à partida de um humano por quem nutrimos sentimentos de afeto. Das várias conversas que tenho tido a este respeito com amigos e conhecidos, a maior parte, admite ter passado por estados depressivos após a morte dos seus animais de estimação o que nos leva a questionarmo-nos se a falecimento destes está a ser avaliado com a devida pertinência.

Comentários no Facebook