Lagos assinala 50 anos do sismo de 1969 com acção de sensibilização

Lagos assinala 50 anos do sismo de 1969 com acção de sensibilização

478
PARTILHE
Abalo de há 50 anos destruiu centenas de edificações e causou um número indeterminado de mortos no Algarve (Foto: D.R.)

Lagos promove, na quinta-feira, uma sessão de sensibilização para o risco sísmico, no dia em que se assinalam 50 anos do abalo que destruiu centenas de edificações e causou um número indeterminado de mortos no Algarve.

A sessão evocativa do sismo de 28 de Fevereiro de 1969 tem início marcado para as 11:30, na Fortaleza de Sagres, no concelho de Vila do Bispo, com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

“O senhor Presidente da República aceitou o convite e estará presente na sessão de abertura, seguindo depois para um almoço em Lagos”, disse à agência Lusa a presidente da Câmara de Lagos, Joaquina Matos.

O sismo de 28 de Fevereiro de 1969, com epicentro registado na zona do Banco de Gorringe – a sudoeste do cabo de S. Vicente, em Sagres -, teve uma magnitude estimada em 7.9 graus na escala de Richter e foi o mais recente abalo sísmico sentido em todo o país a provocar vítimas e a destruição de centenas de estruturas em Portugal continental.

Abalo foi o terceiro maior registado em Portugal a seguir ao de 1755

O abalo telúrico foi o terceiro maior registado em Portugal, a seguir ao de 1755 em Lisboa e ao de 1909 em Benavente.

“De um modo geral todas as localidades algarvias foram afectadas, mas foi no barlavento do Algarve que se registaram os maiores danos, principalmente nos concelhos de Lagos e de Vila do Bispo, este último com o registo de mais de 400 edificações destruídas”, disse à agência Lusa o historiador Artur de Jesus.

Apesar de os jornais regionais da época apontarem vários feridos e apenas um morto em Lagos (distrito de Faro), o historiador indicou que “esse número pode não ser correcto”, existindo referências que apontam para 13 mortos, dois dos quais devido aos efeitos diretos do sismo e outros atribuídos ao susto.

“Oficialmente apenas há referência a um morto no concelho de Lagos”, sublinhou.

A edição de 8 de Março de 1969 do jornal Folha de Domingo, periódico da Diocese do Algarve, apontava os maiores danos nos concelhos de Vila do Bispo, Aljezur, Lagos e Silves, referindo que neste último concelho o abalo arrasou quase por completo uma aldeia.

“No sítio das Fontes dos Louzeiros, perto de Alcantarilha, das 16 casas existentes, só uma ficou intacta”, avançava o semanário.

Sessão pretende evocar a passagem dos 50 anos do sismo

A sessão promovida pela Sociedade Portuguesa de Engenharia Sísmica (SPES), pela Associação Portuguesa de Meteorologia e Geofísica (APMG) e pela Câmara Municipal de Lagos pretende evocar a passagem dos 50 anos do sismo, sensibilizar e chamar a atenção da população para o risco sísmico em Portugal, “envolvendo quem tem responsabilidades no estudo, definição e implementação de medidas que garantam a minimização deste risco”.

De acordo com a presidente da Câmara de Lagos, a evocação do sismo nos concelhos mais afectados pelo abalo “é importante para recuperar a percepção para o risco, refletindo sobre a vulnerabilidade e perigosidade sísmica e, ao mesmo tempo, divulgar as medidas que localmente têm sido implementadas para minimizar o risco”.

O programa oficial tem início às 11:30 na Fortaleza de Sagres, prosseguindo na parte da tarde, pelas 14:30, no auditório da Câmara de Lagos.

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook