Startup de Loulé eleita uma das melhores do desporto

Startup de Loulé eleita uma das melhores do desporto

313
PARTILHE
Cerimónia final onde foi feita a distinção das dez startups finalistas (Foto: D.R.)

A startup portuguesa Tiesports vai integrar o programa de aceleração da Qatar Sportstech, que tem início em Fevereiro.

No encontro, organizado pela Startupbootcamp, em Doha, no Qatar, a Tiesports foi uma das 20 empresas finalistas, numa lista que contou inicialmente com 450 candidatas, em representação de 60 países. Na fase final foi uma das dez empresas seleccionadas, após três dias intensos de competição.

Para Diogo Mascarenhas, que representou a Tiesports, no Qatar, este é “um momento de regozijo, toda a nossa equipa está de parabéns! É o resultado da enorme dedicação e do acreditar constante de toda a Tiesports e de todas as pessoas que têm acreditado no nosso projecto”.

Segundo explicou ao POSTAL, esta ideia surgiu “em meados de 2013-2014, e a Tiesports nasceu exactamente por causa do desejo de fazer algo na área do desporto. Quando o pensámos, pensámos efectivamente na área dos desportos de raquetes, porque é uma área onde o aspecto social está muito presente. E então decidimos criar uma rede que ajudasse o jogador, o praticante de desporto, a encontrar mais jogadores. O Tietenis, que foi o objecto embrionário deste projecto, é no fundo uma rede social para jogadores de ténis”.

A empresa Tiesports assenta exactamente na criação de software direccionado para a vertente desportiva.

Diogo Mascarenhas referiu ao POSTAL quais são as directrizes da empresa: “sendo a nossa área, a área de fazer software,
percebemos rapidamente que teríamos de fazer software para os outros participantes do desporto, ou naturalmente a indústria em si, ou seja, os clubes, os promotores de eventos, entre outros, que são exactamente as entidades que vivem e depois criam este universo em torno dos jogadores. E, portanto, achámos que seria fundamental criar ferramentas de apoio, ferramentas de gestão para os clubes, para as federações, para os promotores de eventos, que no fundo nos ajudasse a promover melhor os seus serviços e aí começámos a estender a nossa oferta também para essas áreas”.

A competição

Quanto à parte competitiva, o CEO da empresa referiu que “por volta do ano 2016 surgiu o desejo de chegar à área competitiva e isto traduz-se na criação de software que apoie a promoção dos rankings e das provas em si”.

A Tiesports decidiu igualmente começar a trabalhar com a Federação Portuguesa de Ténis e em 2017 começou a fazer os rankings de forma automática para todas as categorias.

O concurso: Qatar Sportstech

O Qatar Sportstech é um dos principais programas de aceleração para empresas inovadoras na indústria desportiva. O programa tem como objectivo impulsionar o ecossistema da Sportstech na região do médio oriente.

Neste concurso foram distinguidas dez empresas para frequentar um programa intensivo de três meses que fornece orientação individual e possibilidade de crescimento e evolução às empresas. E a empresa portuguesa Tiesports foi uma das dez contempladas…

Segundo Diogo Mascarenhas, “integrarmos este grupo restrito é também uma enorme responsabilidade, uma fase nova que se abre para o futuro. É o reconhecimento internacional e um voto de confiança importante para percebermos que estamos no caminho certo”.

O CEO da Tiesports entende que “o caminho passa, cada vez mais, por criar soluções para o desporto, levando mais tecnologia aos clubes e aos jogadores”. E foi exactamente neste sentido que a Tiesports criou um conjunto de ferramentas que possibilitaram fazer uma melhor gestão e promoção dos eventos desportivos.

A TieSports apresentou, em concurso, soluções inovadoras na área do desporto de raquetes, tais como, o TieClub, que integra a parte de gestão e organização dos clubes; a Tieplayer, que é uma aplicação que permite que o jogador tenha acesso a informações úteis em tempo real, como é o caso da sua agenda, os seus eventos, tendo ainda a possibilidade de contactar outros jogadores e estabelecer ligações com eles.

Esta app permite ainda que o jogador e toda a comunidade envolvente possam aceder ao universo do clube, bem como, receber notícias que lhes estão associadas. Já a TieCoach é uma aplicação que permite a interacção entre os técnicos, profissionais com o próprio sistema e também com outros jogadores. Existe ainda um conjunto de outros serviços, como o acompanhamento de resultados, a procura de clubes da região ou até mesmo de eventos que estejam a acontecer em locais próximos dos jogadores.

O POSTAL perguntou ao responsável da Tiesports que aspectos diferenciaram esta empresa de outras a concurso e Diogo Mascarenhas salientou que “a nossa solução já está num ponto de maturidade avançado, já contamos com quatro anos de desenvolvimento e uma grande abrangência. Isso faz obviamente diferença quando se está a avaliar startups, além disso, temos a particularidade do desporto de raquetes. Esta é uma solução que acaba por ser quase única no mundo, porque embora existam várias soluções de software na área do desporto de raquetes, esta acaba por ser aquela que mais serviços oferece”.

Durante este concurso estiveram presentes alguns dos mentores mais influentes da região no âmbito da inovação e do desporto, como são os casos da Aspire Zone Foundation, Ministério do Comércio e Indústria, Federação de Ténis do Qatar, Associação de Futebol do Qatar, Comité Olímpico, IBM, Qatar Foundation, Academia Aspire ou o Qatar Incubation Business Center.

Sendo a Tiesports uma empresa algarvia, Diogo Mascarenhas refere que “para a região do Algarve é sempre bom ter empresas em todas as áreas de actividade e o desporto não é excepção. O Algarve é uma região que tem bastante actividade no desporto. Para nós significa que estamos no caminho certo. Estes são sinais claros da indústria e do mercado que dizem que devemos continuar o nosso desenvolvimento”.

Quanto à participação da startup no concurso, Diogo Mascarenhas refere que “este concurso entra já numa fase mais avançada. Nós procurámos focar-nos na parte da comunidade, na questão do jogador, procurámos criar software na área da indústria, para apoiar a própria indústria e a promoção do desporto em si”. Refere ainda que “estamos a ir ao encontro daquilo que acreditamos ser o futuro destas ferramentas, que é exactamente melhorar a experiência do jogador, e cada vez mais se fala nisso, não só na área do desporto, mas em todas as áreas”.

A Tiesports tem objectivos bem definidos, que passam evidentemente por uma extensão ao nível dos mercados estrangeiros, sendo que a ideia dos programas de incubação é exactamente atingir outros mercados. Diogo Mascarenhas refere isso mesmo: “o nosso objectivo é chegar a outros mercados e fazê-lo com sucesso”.

(Stefanie Palma / Henrique Dias Freire)

Facebook Comments

Comentários no Facebook