Corremos o Algarve com nova viatura 100% elétrica durante três dias

Corremos o Algarve com nova viatura 100% elétrica durante três dias [fotogaleria]

697
PARTILHE

O POSTAL aceitou o desafio de um seu parceiro, a HPZ – a primeira empresa em Tavira a utilizar carros 100% elétricos. Durante três dias, ao volante da terceira viatura recentemente adquirida pela HPZ, a redação do POSTAL moveu-se pelas várias estradas algarvias.

E a primeira viagem foi de Tavira com destino ao Hotel Dona Filipa, em Vale do Lobo, para participarmos no almoço-debate VERDE ALGARVE, iniciativa organizada pelo POSTAL e que contou com o alto patrocínio de Águas do Algarve (tema da capa da presente edição).

Quanto ao comportamento da viatura, foi irreprovável em todo o tipo de estrada, com exceção na autoestrada. Para sermos mais exatos, desde que a condução seja feita em modo ECO, cuja velocidade máxima não ultrapasse os 90 kms/hora, a sua autonomia ronda os 400 kms. Na auto-estrada, mesmo mantendo uma média dos 90 Kms/hora, a sua autonomia reduz-se, pois, os momentos em que o condutor não utiliza o acelerador serve para carregar a viatura, situação mais rara em autoestrada.

Infelizmente, os postos de carregamentos ainda são escassos. E pior, detetámos, por exemplo, no Mar Shopping de Loulé (ver foto) uma zona de carregamento que ainda não está operacional, mas sem qualquer tipo de aviso. Bastaram cerca de 30 minutos para verificar três automobilistas a tentarem fazer o carregamento das suas viaturas sem qualquer sucesso. Só após ligarmos para o telefone indicado é que fomos informados que essa área se encontrava ainda por ligar. Felizmente, não muito longe, encontrava-se uma zona de carregamento no Leroy.

Mas para quem tiver possibilidade de fazer os carregamentos em casa ou no local de trabalho, e não precisar de fazer mais de 400 quilómetros por dia, a viatura elétrica é hoje uma boa solução, tendo em conta que em termos de consumo a poupança é considerável e pode representar mais de 80 euros por cada mil quilómetros.

HPZ na vanguarda tecnológica 

A empresa HPZ vai hoje na sua terceira viatura. A primeira foi adquirida em 2015 e tem uma autonomia de 150 a 170 quilómetros. A segunda aquisição deu-se em 2018, já com uma autonomia de 250/350 quilómetros. A mais recente, adquirida este ano, já garante uma autonomia de 400 quilómetros

O director da HPZ, Zacarias Neto, disse ao POSTAL estar num horizonte não muito distante passar toda a sua frota para viaturas elétricas.

Em Tavira, duas empresas seguiram o exemplo da HPZ por recomendação de Zacarias Neto: a empresa Métrica, relacionada com a área da arquitectura, e a Auto Peças Daniel Sousa, empresa direcionada para o comércio de peças e acessórios para veículos automóveis.

A HPZ foi fundada em 2000 e é uma empresa 100% virada para a oferta de soluções profissionais nas áreas de cópia, impressão e gestão de documentos, sendo uma referência no seu sector.

Uma das principais diretrizes que a caracteriza assenta na procura constante das melhores soluções a nível tecnológico. E é neste sentido que a empresa decidiu adotar os carros elétricos.

Vantagens:

– Zero Emissões: sendo um carro elétrico, a preocupação com a emissão de poluentes não se coloca;

– Conforto de condução: o motor de um carro elétrico é muito silencioso;

– Vantagens fiscais ao nível da dedução do IVA para empresa + isenção de tributação autónoma + zero euros de imposto de selo: os carros elétricos estão isentos do pagamento do Imposto sobre Veículos (ISV) no momento da aquisição e também do Imposto de Circulação;

– Revisões muito baratas: não apresenta desgaste;

– Preocupação com o ambiente;

– Poupança Diária: o custo de uma carga numa tomada doméstica, para percorrer 100 quilómetros é de cerca de dois euros e meio, um preço bastante convidativo, comparativamente com os seis, sete euros dos melhores turbo-diesel.

Desvantagens:

– Preço elevado de aquisição: os preços continuam bastante elevados;

– Autonomia limitada: a autonomia de um carro elétrico é bastante mais reduzida comparativamente com um carro a gasóleo ou gasolina;

– Poucos postos de carregamento no Algarve;

– Tempo de carregamento: o tempo de carregamento de um carro elétrico é bastante superior ao de um abastecimento de gasolina ou gasóleo;

– Escolha reduzida: embora seja cada vez mais notório que as empresas estão a apostar nos veículos elétricos, existe ainda uma escolha muito reduzida em termos de modelos de carros elétricos;

– Durabilidade da bateria: as baterias dos veículos elétricos perdem capacidade com o tempo e têm uma duração expectável de cerca de dez anos.

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook