Fernandinho vive nas ruas de Faro há mais de 20 anos

Fernandinho vive nas ruas de Faro há mais de 20 anos

4352
PARTILHE
Fernando Afonso, mais conhecido como Fernandinho, tem 59 anos e vive nas ruas há mais de vinte (Foto D.R.)

“Este é o Fernandinho. Não sei que idade tem, mas sei que são muitos os seus anos de sofrimento, de desgraça e de infelicidade”, começou por escrever Jorge Leitão no Facebook.

Fernando Manuel da Silva Afonso é adicto ao álcool e vive nas ruas há mais de 20 anos. Segundo o POSTAL apurou, tem 59 anos. Em tempos, foi pasteleiro no hotel Atlantis em Vilamoura, mas hoje não tem um teto onde morar.

Foi entre palavras de alerta e sensibilização, com sabor agridoce, que Jorge Leitão alertou para uma problemática social, que muito se tenta ignorar: os sem-abrigo. “Devemos sentir uma profunda vergonha por vivermos numa sociedade que permite a existência de pessoas totalmente abandonadas e que tanto sofrem, como o Fernandinho”, pode ler-se na publicação.

São vários os comentários de indignação perante a regularidade de situações como esta, mas ainda se contam mais, aqueles que já ajudaram e continuam a ajudar o Fernandinho. “Conheço bem! Há pouco tempo estive a falar com ele! Tinha saído do Hospital onde esteve internado por atropelamento e fugiram. Já o trouxe a minha casa para tomar banho! Dei-lhe umas roupas e sapatos do meu filho e fomos comer caracóis ao café do Tridente. Estava a dar futebol e ficou a ver todo feliz. Foi no dia um de Maio. Há mais de 20 anos que sempre que o encontro falo com ele e ajudo”, comentou Eulália Casimiro.

Anónimos e instituições ajudam diariamente o Fernandinho

No entanto, não são só anónimos que tentam fazer algo por Fernando Afonso. Instituições como o Centro de Apoio aos Sem-Abrigo (CASA), a Casa da Paróquia de São Pedro, o MAPS e a Santa Casa da Misericórdia também já o tentaram ajudar. “O Fernandinho ia sempre buscar algo para comer ao CASA, à sua maneira e sempre foi respeitado nesse sentido, ia tomar banho, fazia inclusivamente a barba sozinho mas, à sua maneira. Chegou a ser convidado para passar o Natal em casa de colaboradores mas… o Fernandinho tinha outras opções”, desabafou Isabel Cebola na rede social.

Fernandinho já foi várias vezes internado, mas nenhuma com sucesso. “Já o internei para desintoxicação duas vezes, uma em Marim e outra em Beja. Em ambas as vezes tive de o ir buscar pois recusou-se a ficar mais do que uns tempos. Numa outra vez, levei-o para uma quinta de equitação em São Bras, onde ele pudesse ficar em regime aberto e em contacto com os animais e plantas. Mas ficou somente cerca de mês e meio pois acabou por algumas vezes “fugir” e vir a pé para Faro. O último internamento foi em Outubro do ano transacto em virtude de um atropelamento grave que sofreu. Do hospital passou para a CASO, onde esteve 90 dias e onde foi muito bem tratado, devo dizê-lo. Mas, a mando da lei, foi obrigado a ser transferido para outro lar, o da RUA, pois todas as entidades em que bati à porta não me apresentaram nenhuma solução, mesmo que fosse provisória”, disse Sandra Matinhos, que acompanha o caso há 5 anos.

“Somos um povo pobre, mas se não ajudarmos os Fernandinhos que sofrem diariamente. Se nos esquecermos dos nossos, especialmente dos mais frágeis e débeis, seremos profundamente miseráveis”, remata Jorge Leitão ao concluir o seu texto.

Pode ler-se toda a publicação aqui.

(Eunice Silva / Henrique Dias Freire)

Facebook Comments

Comentários no Facebook