Porquê colocar questões sobre artes visuais?

Porquê colocar questões sobre artes visuais?

418
PARTILHE
A OPINIÃO de SAUL NEVES DE JESUS;
Professor catedrático da Universidade do Algarve;
Pós-doutorado em Artes Visuais pela Universidade de Évora;
snjesus@ualg.pt
https://saul2017.wixsite.com/artes

Em 2011 respondemos positivamente ao convite para colaborar no Cultura.Sul

Estávamos a realizar um Pós-Doutoramento em Artes Visuais e sentimos que poderíamos ajudar a esclarecer algumas dúvidas que por vezes são colocadas por quem aprecia arte.

Daí termos decidido escrever os artigos a partir de uma questão que colocávamos como título. A colocação de uma pergunta poderia suscitar a curiosidade do leitor, mas sobretudo é a primeira etapa para a construção de qualquer tipo de conhecimento, inclusivamente o científico. A colocação de uma boa pergunta de partida permite delimitar desde logo o caminho a seguir no processo de investigação que procurará encontrar resposta para a questão colocada.

E o nosso objetivo era precisamente contribuir para clarificar dúvidas que as pessoas muitas vezes colocam em relação às artes visuais e, dessa forma, contribuir para uma maior valorização deste domínio e ajudar a construir algum conhecimento sobre este o mesmo.

Assim, no primeiro artigo que escrevemos em 2011 procurámos responder à questão “Mas, afinal, o que é a arte?”. Esta é precisamente uma questão que muitas pessoas colocam face à cada vez maior diversidade dos produtos artísticos que se podem encontrar em exposições. Concluímos este primeiro artigo afirmando que “sendo a arte uma forma de comunicação, afinal aquilo que não parece ter sentido até tem; temos é que o tentar descobrir, sendo esse também um dos desafios da arte”.

Capa do livro “Construção de um percurso multidisciplinar, integrativo e de síntese nas Artes Visuais”, de Saul de Jesus (2015)

A partir daí fomos escrevendo artigos, tendo os primeiros onze sido integrados no livro “Construção de um percurso multidisciplinar, integrativo e de síntese nas Artes Visuais” que publicámos em 2015. Na Introdução deste livro, explicitámos que, com os artigos publicados, “não procuramos a resposta correta ou adequada para cada questão, até porque não existe, mas sim tentamos esclarecer cada uma dessas questões pela nossa curiosidade e gosto pela arte, procurando aprofundar, simultaneamente, alguns aspetos que ajudam a compreender o trabalho artístico que temos realizado e as opções que temos tido neste percurso”.

Pensámos em ficar por aí, até porque o tempo que temos para o efeito é muito reduzido, mas com as palavras de incentivo de vários leitores e pela nossa própria curiosidade e prazer pela pesquisa neste âmbito, fomos continuando a escrever, sempre colocando uma questão no título de cada artigo. Não é um processo fácil e nunca pensámos escrever tantos artigos, mas o que é certo é que, com a atitude que procuramos ter em relação a tudo na vida em que “o caminho faz-se caminhando…”, no último número do Cultura.Sul escrevemos o nosso quinquagésimo artigo, intitulado “Pode a arte contribuir para a paz?”.

Decidimos neste artigo nº 51 apresentar as 50 questões colocadas nos artigos escritos ao longo destes vários anos, podendo o leitor ter acesso a cada um dos artigos ao clicar no respetivo título e procurar nessa edição do Cultura.Sul a página onde o artigo está publicado.

Assim, os títulos dos artigos publicados foram os seguintes:

Mas, afinal, o que é a arte?

Mas isto é arte?

Qual a importância do título numa obra artística?

Qual a importância do pensamento na produção artística?

As obras com texto escrito podem ser arte visual?

Um artista pode ser enquadrado em diferentes estilos artísticos?

A arte e a ciência são mundos diferentes?

As descobertas da ciência podem ser fonte de inspiração artística?

Qual o “lugar” da Psicologia da Arte?

Qual a importância do reconhecimento da criatividade dos artistas?

Qual a margem de liberdade do artista na realização da sua obra?

Qual a importância da cor nas artes visuais?

Qual a importância da cor nas artes visuais? (século XIX e início do século XX)

Qual a importância da cor nas artes visuais? (do século XX à atualidade)

Qual o sentido das artes visuais?

A fotografia no desenvolvimento das artes visuais?

A fotografia pode ser considerada uma forma de arte, tal como a pintura?

A fotografia é arte visual?

Como se podem integrar a fotografia e a pintura na produção artística?

Qual o “espaço” para a arte digital na atualidade?

O espetador pode ser criador/artista na arte interativa?

Onde está a “pureza” na produção artística?

Quais os limites para a integração de técnicas nas artes visuais?

Pode a arte estar ligada ao turismo?

Qual a importância da formação para se ser artista?

Quais as fases no desenvolvimento histórico das relações entre a pintura e a fotografia?

Pode uma imagem visual sintetizar ideias complexas?

Pode uma imagem visual sintetizar questões psicossociais complexas e atuais?

O Algarve apenas serve para fruir das Artes Visuais?

O que é o stresse? Resposta através da imagem visual.

Pode a ilustração expressar visualmente a realidade?

Quais os limites para o uso do corpo humano na arte?

Qual o “peso” de se saber quem é o autor da obra?

Pode a arte emergir a partir do “lixo”?

A arte urbana tem uma duração limitada?

Pode a arte emergir da natureza?

A “rua” pode ser uma galeria de arte?

Pode a arte motivar?

Qual o impacto sociopolítico da arte?

Podem as guerras “inspirar” obras de arte?

Podem as artes visuais expressar felicidade?

Porquê colecionar obras de arte?

Pode a arte ajudar a promover o turismo urbano?

A dimensão das obras de arte altera a sua perceção?

Pode ser criada arte a partir da poluição?

Pode a arte ajudar a proteger os oceanos?

Pode a arte visual ser “expressa” para os cinco sentidos?

Pode a arte fazer a ponte entre a realidade e a ficção?

Pode a arte influenciar a política?

Pode a arte contribuir para a paz?

À questão “quantas mais questões iremos colocar?” ou “quantos mais artigos iremos escrever?”, não sabemos responder.

Mais uma vez, “o caminho faz-se caminhando”…

(Artigo publicado no Caderno Cultura.Sul de maio)

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook