Almargem: Estudo revela riscos de construção na zona húmida de Lagoa

Almargem: Estudo revela riscos de construção na zona húmida de Lagoa

700
PARTILHE
Fotos D.R.

Um estudo da Almargem revela que as Alagoas Brancas, em Lagoa, no Algarve, têm uma riqueza de vida selvagem elevada e que a construção naquele local representaria um risco de colapso em caso de excesso de carga, um risco de contaminação dos aquíferos e uma elevada probabilidade de inundação em toda a área urbana, em caso de desaparecimento da zona húmida, informou ao POSTAL o ”Grupo salvar a lagoa de Lagoa”.

O estudo “Valorização das Zonas Húmidas do Algarve” foi apresentado na quinta-feira, no auditório da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve), em Faro.

Foto D.R.

Promovido pela Almargem – Associação de Defesa do Património Cultural e Ambiental do Algarve, este estudo apresenta um diagnóstico detalhado de três zonas húmidas da região algarvia: a Foz do Almargem e Trafal, em Loulé; a Lagoa dos Salgados e a Foz de Alcantarilha, em Albufeira e em Silves; e as Alagoas Brancas, em Lagoa.

Após a apresentação da investigação quaisquer dúvidas que pudessem existir sobre a importância da preservação destes espaços naturais no Algarve, foram dissipadas. 

Uma das grandes surpresas do estudo foi o observado nas Alagoas Brancas, em Lagoa, principalmente pelo facto da riqueza natural da Lagoa dos Salgados e Foz de Alcantarilha e a Foz do Almargem e Trafal serem já mais conhecidos e mais evidentes devido à própria dimensão dos espaços em questão.

Apesar da sua pequena dimensão, as Alagoas Brancas revelaram-se bastante ricas em vida selvagem, nomeadamente em espécies com estatutos de proteção elevados, podendo esta zona vir a ser considerada de importância internacional: 

  • Foram identificadas 114 espécies de aves diferentes;
  • A zona alberga cerca de 1% da população regional (Mediterrâneo, Mar Negro e África Ocidental) da ibís-preta – o que potencialmente classifica as Alagoas Brancas ao abrigo da convenção de RAMSAR;
  • Apresenta um vasto leque de espécies de aves aquáticas ao longo do ano, sendo de destacar a nidificação do camão;
  • Engloba habitats naturais e semi-naturais, tendo sido registada a presença de Crypsis aculeata, uma planta pouco comum em Portugal;
  • Alberga ainda 8 espécies de artrópodes com valor de conservação, nomeadamente crustáceos, borboletas diurnas, libélulas e libelinhas;
  • 18 espécies de répteis, sendo de salientar a presença de 2 espécies com estatuto de conservação desfavorável: o cágado-de-carapaça-estriada classificada como “Em Perigo” e a Osga-turca classificada como “Vulnerável”. Foram ainda identificadas serpentes, osgas, lagartixas, o camaleão e a cobra-cega.

Muitas espécies encontradas nas Alagoas Brancas têm o estatuto de “quase ameaçadas” o que obriga às entidades competentes a ponderar pesadamente todas as medidas que possam para lá ser pensadas, porque a linha entre o “quase ameaçadas” e o “ameaçadas” é muito ténue e quando uma espécie deixa de existir, não há solução. 

Além da riqueza da biodiversidade das Alagoas Brancas, o estudo da Almargem trouxe ao conhecimento público, os perigos que poderiam acarretar a construção no local: colapso, contaminação das águas e inundações.  

Por ser uma zona cársica com placa tectónica ativa, pode acontecer o colapso dos terrenos por excesso de carga na superfície, o que representa uma real ameaça à zona em caso de construção. 

Risco de contaminação dos aquíferos

Devido às características cársicas existe ainda o risco de contaminação dos aquíferos.

A zona húmida das Alagoas Brancas gera um efeito de esponja para o excesso de águas pluviais, pelo que, o seu desaparecimento resultaria numa elevada probabilidade de inundação em toda a área urbana baixa de Lagoa. 

Na apresentação deste estudo estiveram presentes um representante da Câmara Municipal de Silves, o presidente da Câmara Municipal de Loulé, o deputado Luis Graça, o diretor regional do ICNF e a Vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Lagoa.

O discurso do presidente da Câmara Municipal de Loulé foi o mais aplaudido, pelo destaque dado à força e prevalência da vontade política contra os poderes económicos instalados quando apoiada por sólidos conhecimentos científicos, à necessidade de novas abordagens na gestão do território, à luz de uma nova consciência do estado atual do Planeta e à emergência climática.

Em contraste, o discurso da Vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Lagoa foi o que causou maior polémica e reação da sociedade civil presente, pela abordagem populista, pela insistência na proposta alternativa de relocalização da lagoa e pela afirmação que nem o ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, considerava as Alagoas Brancas, uma zona protegida, afirmação que coloca em causa a veracidade e credibilidade de todo o estudo ali apresentado pela Almargem. 

De acordo com Ana Marta Costa, bióloga e membro do grupo de cidadania “A última janela para o mar”, “a proposta da Câmara Municipal de Lagoa de relocalização das Alagoas Brancas é ridícula e impraticável. As zonas húmidas são os mais ricos, complexos e produtivos ecossistemas da biosfera, representam um papel importante na filtração das águas, na regulação hídrica e climática e não podem ser recriadas pelo Homem. Tudo está interligado. Não se pode reconhecer a problemática das alterações climáticas, como fez a autarquia de Lagoa com o Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas no Sul do país (PIAAC-AMAL) e a seguir, autorizar a destruição de um habitat que contribui para o equilíbrio do clima. O sítio das Alagoas Brancas é presentemente, a única zona restante de uma antiga zona húmida maior que está na origem do nome da cidade e concelho de Lagoa. É uma identidade cultural, ambiental de grande potencial económico que deve ser protegido e não, destruído. Para não falar das questões de risco de inundação, colapso de terrenos e contaminação dos aquíferos que a construção naquela zona húmida acarreta. Se há algo que dever ser relocalizado é a construção e não o habitat!”.

“As Alagoas Brancas têm um valor turístico de características únicas que mais nenhum concelho vizinho tem, ideal para a observação de ave, ponto estratégico de birdwatching e uma opção viável para o combate à sazonalidade”, acrescenta a bióloga. 

O estudo “Valorização das Zonas Húmidas do Algarve” é resultante de uma candidatura aprovada ao Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente e Transição Energética, foi coordenado pela Associação Almargem com o apoio de coordenação científica da Sociedade Portuguesa para Estudo das Aves – SPEA, e contou com uma equipa técnica formada por especialistas independentes, bem como de entidades como o Centro de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Algarve, do Tagis – Centro de Conservação das Borboletas de Portugal e do cE3c – Centre for Ecology, Evolution & Environmental Changes da Universidade de Lisboa.

Facebook Comments

Comentários no Facebook