Leitura da Semana: O Fim da Solidão, de Benedict Wells

Leitura da Semana: O Fim da Solidão, de Benedict Wells

1242
PARTILHE
A rubrica Leitura da Semana é publicada semanalmente à terça-feira; Paulo Serra é doutorado em Literatura na Universidade do Algarve e investigador do CLEPUL

Jules Moreau vive com os pais e com os dois irmãos mais velhos. Mas aos onze anos perde os pais num acidente de automóvel. A essa tragédia segue-se o seu ingresso num internato. E à dor dessa perda sucede-se ainda a quebra dos laços de irmandade. A irmã Liz e o irmão Marty apesar de estarem no mesmo colégio de Jules tornam-se eles mesmos uns estranhos, enquanto Jules passa o final da infância e a adolescência na demanda da sua identidade, agora como órfão. Do pai herda o cabelo negro e a barba forte, bem como o amor pela fotografia. A sua outra paixão, e consolo para a sua solidão, será Alva, uma menina de pele pálida e cabelos ruivos, com quem partilha as suas paixões menores na leitura, na música, ou no silêncio de uma amizade cúmplice que prenuncia já um amor adulto. E é já como adulto que o jovem Jules perceberá que a vida é feita de regressos e reencontros.

Romance de Benedict Wells foi escrito ao longo de sete anos e é inspirado
em factos da sua vida (Fotos D.R.)

Ao longo do livro, entre 1980 e 2014, sensivelmente, assistimos assim ao crescimento de Jules e à sua tentativa de sanar a solidão, até que esta atinge o ponto máximo de uma dor tão avassaladora que pode implicar o corte desejado da própria vida: «Há muito que conheço a morte. Agora, porém, também ela me conhece.» (p. 11)

O livro peca apenas por na parte final se tornar um pouco repetitivo, quase como se o autor e a personagem fossem um só e procurassem exorcizar os seus demónios através da escrita, até porque «Uma infância difícil é como um inimigo invisível (…). Nunca se sabe quando nos vai atingir.» (p. 123)

A capa do livro de Benedict Wells

Afirma o autor que este seu quarto romance é uma «catarse»: «Este foi o livro que eu tive de escrever. Os próximos são os livros que eu quero escrever. Agora sinto-me totalmente livre.»

Benedict Wells nasceu em Munique em 1984 e passou por três colégios internos, a partir dos seis anos de idade. Este romance foi escrito ao longo de sete anos e é inspirado em factos da sua vida. Publicado pela Asa e vencedor do Prémio de Literatura da União Europeia, o romance encontra-se traduzido para 30 línguas.

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook