Medusas vivas a caminho do Algarve para alimentar tartaruga resgatada em Lagos...

Medusas vivas a caminho do Algarve para alimentar tartaruga resgatada em Lagos [com vídeo]

2549
PARTILHE
A tartaruga foi resgatada na passada quinta-feira, 20 de junho em Lagos (Foto Arquivo POSTAL D.R)

A tartaruga-de-couro que foi encontrada na passada quinta-feira, 20 de junho, na Meia Praia em Lagos, está a ser reabilitada no Zoomarine e já tem alimento. As medusas vivas estão a caminho do Algarve.

“As medusas estão a ser transportadas por uma das nossas colegas que trabalha no Zoomarine, que é a Antonieta Nunes e que foi de propósito a Lisboa buscá-las”. Quem o diz é Élio Vicente, biólogo do Zoomarine.

“As medusas foram conseguidas por um pescador, o senhor Pataca, no Rio Tejo, e se tudo correr bem dentro de duas horas e meia a nossa colega já estará cá com as primeiras medusas vivas que vão ser introduzidas dentro deste tanque para que este animal seja induzido a voltar a alimentar-se”, acrescentou.

A tartaruga-de-couro já está no Zoomarine há sete dias e ainda não se alimentou. Os biólogos e técnicos do Porto d’ Abrigo fizeram um apelo aos pescadores para encontrarem medusas vivas, uma vez que o animal está a recusar alimento congelado.

Élio Vicente salienta que “os animais selvagens desta espécie comem alimento vivo e no caso da tartaruga-de-couro mais de 90% do seu alimento são medusas vivas”.

O Zoomarine já tem alimento proveniente de dois locais distintos: Lisboa, cedido pelo mestre de embarcação Pedro Pataca e Vila Real de Santo António, facultado pelo mestre Anselmo.

“Se tudo correr bem e a tartaruga se alimentar vamos combinar uma colheita para amanhã ou segunda-feira em Vila Real de Santo António”, frisou o biólogo.

O responsável explicou ao POSTAL que “existem três coisas muito importantes neste momento para que a tartaruga recupere”.

Em primeiro lugar “estamos a tentar evitar que se desenvolvam infeções devido aos ferimentos. Depois estamos a tentar garantir que, devido à eventual inalação de água, não se desenvolva uma pneumonia por aspiração. A terceira etapa é garantir que ela inicia uma alimentação”.

“Estamos ainda a adotar um sistema de funcionamento que impeça a tartaruga de entrar em contacto com as paredes do nosso habitat de reabilitação”, sendo que “a ideia é colocar um sistema com uma corda que está suspensa e está num processo giratório, minimizando o contacto que este animal tem com as paredes”.

Élio Vicente refere ainda que, quanto ao estado de saúde da tartaruga, “por agora está tudo a correr bem porque os indicadores que temos do ponto de vista sanguíneo e também comportamental mostram que o animal à partida não tem nada de muito grave agora”, sublinhando que “isso não quer dizer que nas próximas semanas não aconteça, pois, por exemplo, a pneumonia pode levar várias semanas até se manifestar”.

O responsável salienta que “se ela não tiver nenhuma infeção ou pneumonia, daqui a 5/6 semanas já podemos considerar uma devolução ao mar”, no entanto “basta que exista um processo infecioso ou uma pneumonia para este processo se prolongue por meses”.

SAIBA MAIS EM:

Zoomarine tenta salvar tartaruga resgatada em Lagos

Tartatuga de 300 quilos regastada na Meia Praia em Lagos [com vídeo]

Tartaruga encontrada em Lagos precisa de alimento. Zoomarine pede ajuda a pescadores

Zoomarine pede sugestões para batizar tartaruga resgatada em Lagos

(Stefanie Palma / Henrique Dias Freire)

Facebook Comments

Comentários no Facebook