Museu de Portimão recebe ante-estreia de filme sobre a indústria conserveira

Museu de Portimão recebe ante-estreia de filme sobre a indústria conserveira

497
PARTILHE
O documentário “Portugal Tem Lata” propõe-se recuar aos primórdios
das conserveiras nacionais (Fotos D.R)

O filme-documentário “Portugal Tem Lata” vai ser exibido  no próximo dia 15 de julho, pelas 19 horas, em ante-estreia, no Auditório do Museu de Portimão, sendo posteriormente transmitido pela RTP. A entrada é livre.

Durante anos considerado um alimento de tropas e de pobres, algumas conservas de peixe atingem hoje um estatuto de sabor e qualidade “gourmet” e são já um símbolo português presente em todo o mundo. A história do país dos últimos séculos é indissociável da indústria conserveira, da qual Portugal chegou a ser o maior produtor a nível mundial.

O documentário “Portugal Tem Lata” propõe-se recuar aos primórdios das conserveiras nacionais para depois abordar, durante cerca de uma hora e 40 minutos, o longo caminho que foi necessário percorrer até ao ponto em que se encontra hoje este sector económico tão determinante para o país.

3554A história do país dos últimos séculos é indissociável da indústria conserveira

A narrativa divide-se em duas partes. A primeira atravessa as quatro fases principais da indústria em Portugal até ao final da Segunda Guerra Mundial: o período “histórico” até 1855, quando se inicia a “industrialização” (até 1880), entrando depois numa fase “tecnológica” (até 1920) e de desenvolvimento “socioeconómico” (até 1945).

Já a segunda parte do documentário, realizado por João Trabulo da NewTalks e Rui Pregal da Cunha, antigo vocalista da banda Heróis do Mar, reflete sobre “a grave crise e a decadência do sector no pós-guerra”, o período em que as fábricas de conservas quase deixaram de existir, entre o 25 de Abril e os finais dos anos 1980, até à “tendência atual de glorificação das conservas como produto trendy”.

Das 152 fábricas de conservas de peixe que existiam em Portugal nas vésperas da Segunda Guerra Mundial restam hoje 21.

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook