Subconcessionária do Algarve Litoral vai rescindir contrato por falta de pagamento

Subconcessionária do Algarve Litoral vai rescindir contrato por falta de pagamento

679
PARTILHE
Subconcessionária efetuou ao longo dos últimos dez anos um investimento superior
a 200 milhões de euros (Foto Lusa/D.R.)

A subconcessionária Rotas do Algarve Litoral (RAL), responsável pela EN125, anunciou hoje “a sua intenção de rescindir o contrato de subconcessão do Algarve Litoral”, tendo comunicado a decisão à Infraestruturas de Portugal (IP).

“A rescisão tem como fundamento o facto de, decorridos mais de dez anos sobre a assinatura do contrato de subconcessão, a IP não ter ainda reunido as condições legais para efetuar todos os pagamentos acordados entre as partes, não cumprindo dessa forma o acordado”, lê-se na mesma nota.

No comunicado, a subconcessionária adianta que, em conjunto com os seus acionistas, efetuou “ao longo dos últimos dez anos um investimento superior a 200 milhões de euros” no empreendimento e acredita que “fez tudo ao seu alcance no sentido de assegurar o serviço público, ao qual estava obrigada e vinculada”.

No entanto, concluiu a RAL, “é neste momento impossível continuar a assegurar este serviço sem qualquer expectativa de retorno do investimento efetuado, em particular quando a IP e o Estado assumem publicamente que não pretendem assumir os compromissos financeiros acordados com esta sociedade e que consideram que o contrato de subconcessão é inviável”.

No passado dia 2 de julho, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, admitiu que o Governo poderá resgatar a obra de requalificação da subconcessão rodoviária do Algarve Litoral, depois do chumbo do Tribunal de Contas, avança a Lusa.

O governante, que falou na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, lembrou que a recusa do visto prévio do Tribunal de Contas (TdC) à alteração do contrato da subconcessão rodoviária do Algarve Litoral criou “um problema enorme” e depois do recurso apresentado pelo Governo ter sido indeferido a solução passará por “renegociar com os privados ou resgatar a concessão”.

No mesmo comunicado, hoje divulgado, a RAL recorda que “é a sociedade subconcessionária da conceção, projeto, construção, requalificação, financiamento, exploração e conservação dos lanços de estrada designada por “subconcessão do Algarve Litoral” em resultado do contrato de subconcessão celebrado com a Infraestruturas de Portugal, S.A no dia 20 de abril de 2009 e objeto de reforma por contrato datado de 28 de maio de 2010”.

A RAL é detida pelos grupos Elevo (42%), Tecnovia(34%) e Conduril(24%).

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook