Perda de 100 postos de trabalho é “principal impacto” do fecho da...

Perda de 100 postos de trabalho é “principal impacto” do fecho da Ryanair em Faro

581
PARTILHE
- PUB -

A anunciada perda de 100 postos de trabalho no Algarve é o “principal impacto” do fecho da base da base da Ryanair em Faro para a região, considerou hoje o presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

Ryanair comunicou que vai encerrar a base no Aeroporto de Faro em janeiro de 2020
e despedir cerca de 100 trabalhadores (Foto D.R.)

Em declarações à Lusa, Jorge Botelho notou que a base da companhia aérea ‘low cost’ no Algarve permitia ter pessoas em permanência na região e lamentou a perda desses postos de trabalho, considerando que “não é positivo perder um só posto de trabalho na região”.

O presidente da associação que reúne os 16 municípios algarvios sublinhou que, caso o encerramento da base venha a concretizar-se, vai ser preciso “trabalhar muito” para manter as rotas e os voos diretos daquela companhia aérea, tanto em época alta, como em época baixa.

“A base era importante manter, mas mais importante é manter as ligações diretas com a Europa, que é o que abastece um fluxo regular de turistas para o Algarve”, frisou, notando que a região “está numa ponta da Europa” e é preciso continuar a garantir esse fluxo de passageiros.

Também o presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau, se mostrou “preocupado” e “apreensivo” com o facto de 100 famílias virem a ficar com rendimentos reduzidos, ainda mais em janeiro, mês que coincide com a época baixa do turismo e quando é mais difícil conseguir emprego no setor.

Por outro lado, notou, o facto de a companhia ‘low cost’ deixar de ter uma base fixa na capital algarvia pode significar que, no futuro, a operação “possa vir a ser deslocada para outro lado”.

“Neste momento, há contratos válidos para a operação e não é fácil quebrá-los de um dia para o outro, mas no futuro não se sabe”, referiu, considerando que o turismo do Algarve e o Governo devem, agora, acompanhar de perto a situação.

Na terça-feira, a Ryanair comunicou, em Faro, que vai encerrar a base naquele aeroporto em janeiro de 2020 e despedir cerca de 100 trabalhadores, embora mantenha os voos, revelou à Lusa a presidente do sindicato dos tripulantes.

Na segunda-feira, Michael O’Leary informou que o lucro da transportadora aérea caiu 21% no primeiro semestre do exercício fiscal, para 243 milhões de euros, face a idêntico período do ano fiscal anterior.

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook