Públicos nos monumentos

Públicos nos monumentos

502
PARTILHE

No âmbito das várias atribuições da Direção Regional de Cultura do Algarve, compete a este organismo gerir os monumentos e sítios que lhe foram afetos e assegurar as condições para a sua fruição pelo público, que, atualmente, são: o Castelo de Paderne, o Castelo de Aljezur, o Castelo de Loulé, a Villa Romana da Abicada (que irão passar para as câmaras municipais dos concelhos onde se inserem, no âmbito da transferência de competências para os órgãos municipais no domínio da cultura, como previsto no Decreto- -Lei n.º 22/2019, de 30 de janeiro), e, com estruturas de acolhimento e bilhética, a Fortaleza de Sagres, a Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe, os Monumentos Megalíticos de Alcalar (outro dos monumentos a transferir) e as Ruínas Romanas de Milreu.

Fortaleza de Sagres – Vila do Bispo (Fotos D.R.)

Do conjunto dos monumentos com entrada controlada é possível extrair alguma informação sobre os públicos, nomeadamente a nacionalidade – nacionais ou estrangeiros – e as várias tipologias de visitante, de acordo com as várias modalidades de ingresso existentes.

Reportando-nos aos últimos 5 anos, nota-se uma evolução bastante positiva. Se no ano de 2014, no conjunto dos monumentos, foram registados 316.460 visitantes, no ano de 2018 foram registados 487.848, verificando-se um aumento de cerca de 55%. No ano de 2019, com base nos resultados já apurados no primeiro semestre, verifica-se um ligeiro aumento de cerca de 2% comparativamente ao período homólogo do ano anterior.

Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe – Vila do Bispo

Apesar de não existir um estudo aprofundado dos públicos nos monumentos afetos à Direção Regional de Cultura do Algarve, contudo, no que se refere à sua tipologia, pode- se obter alguma informação. Considerando o ano de 2018, e apesar de existirem diferenças entre os monumentos e ligeiras variações nas tipologias ao longo dos anos, verifica- se que os visitantes estrangeiros têm uma maior representatividade, cerca de 85% das entradas. Já na análise das tipologias, pode-se verificar que os visitantes com bilhete individual representam cerca de 52% do total das entradas, os que beneficiam dos vários descontos existentes, cerca de 33%, e as entradas gratuitas, 15%. Pode-se verificar, também, que cerca de 15% representam visitantes integrados no bilhete família, cerca de 12% são visitantes seniores, 12% são jovens ou crianças e 1% estão integrados em visitas de estudo. Já os visitantes integrados nos bilhetes circuito disponíveis representam cerca de 4,6%.

A Direção Regional de Cultura do Algarve procurou ter mais informação, pelo que, através de uma avaliação externa, no ano de 2017, foi possível aferir o grau de satisfação dos visitantes. Os resultados obtidos foram bastante positivos, sendo, numa escala de 0-5, nunca inferior a 4.

Ruínas Romanas de Milreu – Estoi

Com vista a melhorar cada vez mais os serviços e as condições de fruição dos monumentos, a questão do conhecimento do tipo de público que nos visita revela-se bastante útil, tanto para a programação e adaptação das diferentes atividades, bem como na tomada de decisão em diversas áreas, nomeadamente no planeamento ou disponibilização de produtos e conteúdos.

Sabendo quem nos procura podendo, podemos procurar atrair quem ainda não nos conhece.

Direção Regional de Cultura do Algarve

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook