Castro Marim recuou à Idade Média e viveu dias de grande magia...

Castro Marim recuou à Idade Média e viveu dias de grande magia [fotogaleria]

318
PARTILHE

De 28 de agosto a 1 de setembro, a vila de Castro Marim voltou a transformar-se numa vila encantada, naquela que foi a XXII edição dos Dias Medievais em Castro Marim e que acolheu mais de 90 mil visitantes.

Esta viagem de regresso à Idade Média “prima, a cada ano, por um maior rigor histórico, procurando em cada detalhe a autenticidade dos usos, costumes e vivências deste passado”, afirma a autarquia em comunicado.

Foram 5 dias e 5 noites em que se viveu um pouco dos vários universos daquela que foi, talvez, a época mais intrigante da nossa história. Com uma forte aposta na animação, com mais de 30 grupos, nacionais e internacionais, e cerca de 100 exibições por dia, que deambularam e aconteceram em todo o recinto do evento, foi no castelo que se viveu com maior realismo esta viagem medieval. Palco principal deste evento, foi aqui que aconteceram as principais produções culturais e artísticas, como os torneios medievais a cavalo e as recriações de mais de 45 profissões da época.

A salientar a participação de jovens artesãos do concelho, que têm promovido e reinventado antigos mesteres, num trabalho contínuo de valorização do património cultural imaterial do território.

- Pub -

Pelas ruas encontrávamos malabaristas, zaragateiros, cuspidores de fogo, gaiteiros, equilibristas, espadachins e contorcionistas e ainda reis e rainhas, cavaleiros de armaduras reluzentes, bobos e jograis, comerciantes, monges, damas e nobres, um cenário que transportou os visitantes para a magia da Idade Média, mas sem esquecer as suas contradições.

No campo da barbárie, destaque para a Exposição de Instrumentos de Tortura e Punição, no Paiol do Castelo, um projeto FOURTOURS, cofinanciado pelo Interreg V-A, apoiado pela União Europeia, cofinanciado a 75% pelo FEDER, e que nesta edição recebeu cerca de 10 mil visitantes.

Os dias passaram-se ao ritmo de música medieval, música e dança árabe-oriental e música sacra e as noites, à luz de misteriosa das tochas, traziam as iguarias da Idade Média e os espetáculos do místico e do fantástico.  O banquete medieval continuou a ser uma das grandes apostas do Município de Castro Marim, uma experiência inovadora e diferenciada do restante evento, onde se podia jantar com a pompa e circunstância das cortes da Idade Média, ao mesmo tempo a que se assistia a exibições dos grupos de animação do evento.

Este ano, o Banquete Medieval recebeu cerca de 1000 pessoas.

Mantendo todo o rigor, este ano foram reforçadas algumas questões de segurança, de saúde e questões ambientais, um trabalho que pretende elevar os Dias Medievais em Castro Marim a Eco Evento.

Este ano, conseguiu-se uma redução drástica de resíduos e uma reutilização máxima dos bens e cenários de cada edição. Foram também utilizados os copos em barro, como desde quase a génese dos Medievais, e houve uma efetiva redução de gasto em papel na produção de todos os materiais gráficos.

Outra das inovações foi a consolidação da ligação histórica do café ao período medieval, numa parceria social da “Delta Cafés” com o Município de Castro Marim, com o cunho pessoal do Comendador Rui Nabeiro.

A sublinhar ainda a participação das associações locais, que exploraram os parques de estacionamento e as tasquinhas no castelo e no mercado medieval, com ementas repletas de iguarias da época, angariando importantes fundos para as suas atividades anuais.

Os residentes do concelho de Castro Marim tiveram acesso gratuito a todo o evento, bem como os figurantes devidamente trajados.

Os Dias Medievais de Castro Marim foram uma organização do Município de Castro Marim, em pareceria as Associações Locais e o apoio institucional da Região de Turismo do Algarve, Direção Regional de Cultura do Algarve, Cafés Delta, Tavira Gran-Plaza, Ayuntamiento de Cortegana, Município de Guérande e Município de Blain.

(SP/CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook