BE questiona Governo sobre alegados maus-tratos em escola básica de Portimão

BE questiona Governo sobre alegados maus-tratos em escola básica de Portimão

1004
PARTILHE
joa%cc%83o-vasconcelos
João Vasconcelos e Joana Mortágua querem saber se o Governo tem conhecimento da situação relatadas pelos pais dos alunos (Foto de arquivo)

O grupo parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) questionou o Governo sobre as denúncias de insultos, agressões, discriminação e maus-tratos a alunos da Escola Básica Major David Neto, em Portimão, feitas por encarregados de educação.

Em requerimento apresentado no parlamento e dirigido ao Ministério da Educação, os deputados do BE João Vasconcelos e Joana Mortágua querem saber se o Governo tem conhecimento da situação relatadas pelos pais dos alunos e “se o Ministério vai intervir e de que forma na escola em causa”.

No documento, os deputados bloquistas recordam as denúncias feitas por encarregados de educação, de alegados maus-tratos no refeitório e discriminação por parte de funcionários da EB Major David Neto, na cidade de Portimão.

As denúncias dos pais foram reportadas pela associação SOS racismo no passado fim-de-semana, o que motivou a abertura de processos de averiguações pela Câmara de Portimão e da Direcção Regional de Educação do Algarve.

- Pub -

 

Encarregados de Educação apresentaram queixas à Direcção Regional de Educação do Algarve e à autarquia de Portimão

Segundo os pais, a escola em causa teria colocado numa turma todas as crianças de etnia cigana, crianças negras e crianças com deficiência, o que consideram “um absurdo”, não favorecendo a integração e o enriquecimento cultural de todos, segundo noticia a Agência Lusa.

No requerimento enviado ao Ministério da Educação, os dois parlamentares do BE especificam algumas das denúncias, nomeadamente “o facto de as crianças terem sido agredidas, física e verbalmente, e comerem de pé, junto aos caixotes do lixo”.

Os encarregados que apresentaram queixas à Direcção Regional de Educação do Algarve e à autarquia de Portimão consideram que a situação atingiu “maior gravidade” quando depois de ser apresentada queixa à directora do estabelecimento de ensino “a mesma terá ameaçado e intimidado as crianças, pois não poderiam contar aos pais o que se passa na escola”.

A presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes, decidiu abrir um processo de averiguações “com carácter de urgência” para que sejam apurados todos os factos denunciados pelos pais sobre a funcionária visada.

Facebook Comments

Comentários no Facebook