Câmara de Lagos cria Observatório de Segurança Alimentar no Algarve

Câmara de Lagos cria Observatório de Segurança Alimentar no Algarve

550
PARTILHE
dieta-mediterranica
Projecto visa a promoção da segurança alimentar na região do Algarve

O Município de Lagos será um dos concelhos do Algarve que fará parte de um projecto piloto que visa a criação de um Observatório de Segurança Alimentar e de uma estratégia de combate às situações de insegurança alimentar. A sua participação neste projecto piloto foi aprovada, por unanimidade, em Reunião de Câmara decorrida no final de Dezembro.

O programa de acção deste projecto, liderado pela Associação In Loco, terá uma duração de um ano e contará com uma equipa pluridisciplinar que conta com nutricionistas, chefs, antropólogos, sociólogos e o apoio empenhado de uma rede regional de técnicos municipais e das entidades públicas e privadas que operam na área social.

O projecto será desenvolvido em parceria com a Administração Regional de Saúde (ARS Algarve), com a AMAL (e responsáveis pelas Comissões Locais de Acção Social), com a Universidade do Algarve e com a Segurança Social.

A primeira etapa do projecto já se encontra concluída e consubstanciou-se num trabalho de campo, realizado durante dois meses, em todas as freguesias do Algarve, avaliando o acesso dos agregados familiares a uma alimentação saudável e económica.

- Pub -

O plano de acção do projecto piloto “(In) Segurança Alimentar” tem como objectivos gerais a definição de um sistema de monitorização e avaliação da situação de segurança alimentar baseado no INFOFAMILIA e que avalie o grau de segurança alimentar de uma amostra representativa da população algarvia; a construção de uma plataforma electrónica de introdução e tratamento dos dados do sistema de monitorização que servirá de base para o Observatório da Segurança Alimentar do Algarve, operada em contínuo por entidades a definir pela DGS, que será a responsável máxima; o desenvolvimento de competências na área da alimentação saudável e acessível tendo por base a Dieta Mediterrânica nos profissionais trabalhando com os grupos de risco; a sensibilização, mobilização e capacitação dos agregados familiares de maior risco para as vantagens da alimentação saudável e acessível, tendo por base a Dieta Mediterrânica e a sustentabilidade futura da iniciativa, promoção e disseminação pública dos resultados.

Comentários no Facebook