Lagos aumenta recursos nos cuidados de saúde primários

Lagos aumenta recursos nos cuidados de saúde primários

229
PARTILHE
O Mestrado Integrado de Medicina da Universidade do Algarve tem abertas candidaturas até dia 9 de Fevereiro
O Protocolo aposta na Saúde Oral e na Fisioterapia (Foto D.R.) 

O Protocolo de Colaboração entre a Administração Regional de Saúde do Algarve (ARS Algarve) e o Município de Lagos foi ratificado por unanimidade, na passada quarta-feira, dia 16 de Maio, em reunião de Câmara. Este despacho irá permitir criar a Consulta de Oral/ Medicina Dentária, no Centro de Saúde local.

Neste sentido, foi atribuído um subsídio, no valor de 19.680,00 euros, à ARS Algarve com o objectivo de dar uma nova resposta aos utentes do Serviço Nacional de Saúde, inscritos no Centro de Saúde de Lagos.

Ainda na mesma reunião foi aprovada, também por unanimidade, a minuta do Protocolo de Colaboração, a celebrar com a referida entidade. Este, com o mote de reunir todas as condições necessárias à criação de outros cuidados de saúde primários, nomeadamente nas áreas de: prevenção, vigilância, tratamento e intervenção imediata. Também as actividades de fisioterapia e uma nova Unidade de Saúde Familiar são objectivos deste Protocolo.

A referida Colaboração prevê, para além da criação da sala de Saúde Oral, a concepção de um pavilhão pré-fabricado, destinado à fisioterapia, assim como a realização de pequenas obras de adaptação para a sala de Saúde Infantil da Unidade de Saúde Familiar “Amendoeira. O custo destas intervenções serão suportados a 100 por cento pelo Município, respectivamente, até ao montante de 90.00000 euros e de 30.000,00 euros. Já à ARS cabe a responsabilidade da contratação de médicos da especialidade, de funcionários necessários aos serviços e de todas as despesas de funcionamento.

- Pub -

Esta parceira, representa para o Município de Lagos uma forma de dar corpo e expressão às atribuições e competências consagradas no regime jurídico das autarquias locais. Estas que pretendem proteger os interesses da comunidade lacobrigense, nomeadamente no acesso à Saúde.

A aposta na colaboração entre entidades tem demonstrado ser uma opção para a resolução dos problemas e para o reforço da prestação de cuidados de saúde primários. Sendo que o papel da autarquia lacobrigense vai além dos termos do protocolo agora aprovado, incidindo, de forma sistemática e permanente, nas áreas da promoção da saúde e da prevenção das doenças. Exemplo disso está a dinamização de diversões projectos e actividades que fomentam junto do público a adopção de hábitos de vida mais saudáveis como o “Saúde em Movimento”.

“A autarquia mostrou-se sempre totalmente disponível para apoiar”

Acerca do Protocolo em questão, a presidente da Câmara Municipal, Joaquina Matos, afirmou que desde a primeira hora que a autarquia se mostrou totalmente disponível para colaborar com a área da Saúde. Começando no apoio à instalação da primeira Unidade de Saúde Familiar, a USF Descobrimentos, até ao apoio da instalação da segunda ª USF, a USF Amendoeira, nenhum esforço foi poupado para fazer sair Lagos da difícil posição em que se encontrava em relação aos cuidados de saúde.

As necessidades identificadas por muitas pessoas que surgem no atendimento social na Câmara, justificam, no entender de Joaquina, este apoio. Que irá permitir o acesso a consultas públicas de Medicina Oral, melhorando a saúde dos utentes e facilitando a sua integração social e até profissional.

Recorde-se que a Unidade de Saúde Familiar Amendoeira do Algarve, com sede no Centro de Saúde de Lagos, e que também abrange o Polo de Saúde de Bensafrim e de Odiáxere, integra nove enfermeiros, oito médicos de medicina geral e familiar e sete administrativos. Compondo, deste modo, uma equipa multiprofissional que abrange cerca de 13 600 utentes, o que se traduziu num aumento considerável da cobertura por médico de família a nível concelhio: um ganho assistencial previsto de 6784 utentes. Também segundo informações da ARS-Algarve, o Centro de Saúde de Lagos passou de 77,8 por cento de utentes com médico de família para 82,2 por cento, entre Novembro de 2017 e Fevereiro de 2018.

(Maria Simiris / Henrique Dias Freires)

Comentários no Facebook