Campanha em autocarros alerta para falta de 500 enfermeiros no Algarve

Campanha em autocarros alerta para falta de 500 enfermeiros no Algarve

531
PARTILHE
A vila de São Brás de Alportel assinala o Dia Internacional dos Enfermeiros (Foto D.R.)
Nas unidades de Faro e Portimão do Centro Hospitalar Universitário do Algarve faltam cerca de 350 enfermeiros (Foto D.R.)

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) iniciou esta quinta-feira, 21 de Junho, uma campanha publicitária nas redes de transportes urbanos de Faro e Portimão em que alerta para a falta de 500 enfermeiros no Algarve.

“Este é um destino turístico por excelência e uma das questões que os turistas querem saber é as condições de saúde que têm nos destinos para onde viajam. Nós achamos que é importante fazer este aviso”, disse Nuno Manjua, coordenador da direcção regional do SEP.

O dirigente sindical mostrou à comunicação social, em Faro, um dos ‘minibus’ utilizados na campanha, que pretende apelar à ajuda da Região de Turismo do Algarve e dos empresários do sector turístico.

“Aquilo que nós queremos é a ajuda dos empresários do turismo, para exigir, junto do Ministério da Saúde, que de uma vez por todas acabe com a carência crónica de enfermeiros no Algarve, a região de saúde do país com menor número de enfermeiros. Isto é que não é admissível”, salientou à Agência Lusa o responsável do SEP.

- Pub -

Nuno Manjua estima que nas unidades hospitalares de Faro e Portimão do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) sejam necessários cerca de 350 enfermeiros e nos centros de saúde da região cerca de 150, já segundo as novas regras de 35 horas de trabalho semanais, a partir de 1 Julho.

“Os horários já estão feitos. Em 1 de Julho deveria entrar as 35 horas em vigor para todos os enfermeiros e há horários que estão a sair ainda com as 40 horas. Precisamente uma demonstração da dificuldade que têm em não ter enfermeiros para poder fazer horários”, frisou.

Sindicato não compreende o atraso no anúncio da contratação de enfermeiros

O dirigente do SEP disse não compreender o atraso no anúncio da contratação de dois mil profissionais, feito na quarta-feira pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

“Se já desde o ano passado sabiam desta necessidade, por que é que esperaram até ontem [quarta-feira], ou os últimos dias, para fazer este anúncio, quando já poderiam ter autorizado a contratação?”, questionou.

O dirigente sindical admite a existência de rupturas nas unidades de saúde da região durante o Verão, quando o número de pessoas no Algarve triplica, lembrando que o Serviço de Urgência Básica de Albufeira atende “praticamente” o mesmo número de pessoas do que os principais serviços de Urgência, em Faro e Portimão.

“É natural que haja ruptura. Vai haver ruptura no atendimento e nos profissionais. Já estão exaustos, vão fazer muitas mais horas extraordinárias, o que vai levar ao aumento de baixas médicas, porque as pessoas não conseguem ter disponibilidade física e mental para aguentar”, alertou Nuno Manjua.

O coordenador regional do SEP manifestou-se igualmente preocupado com o facto de o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) continuar centralizado em Lisboa, o que “vai aumentar o tempo de espera de atendimento das chamadas e o tempo de espera da resposta” aos doentes algarvios.

Facebook Comments

Comentários no Facebook