POSTAL do ALGARVE associa-se às comemorações dos 45 anos da “Revolução dos...

POSTAL do ALGARVE associa-se às comemorações dos 45 anos da “Revolução dos Cravos”

524
PARTILHE
- PUB -

 

 

25 DE ABRIL – “Um povo sem memória não perpetua um país, preenche um espaço sem identidade” – Carlos Esperança (Foto: D.R.)

Nos 45 anos da “Revolução dos Cravos”, o “POSTAL do ALGARVE” associa-se às comemorações e irá publicar todos os dias, durante o mês de Abril, um texto ou poema alusivos ao 25 de Abril.

Uma iniciativa organizada por Rui Cabrita e que irá decorrer em simultâneo no jornal “Terra Ruiva”, do concelho de Silves.

(Intervenção do Tenente Coronel Luis Athayde Banazol na reunião de oficiais que teve lugar em 24 de Novembro de 1973 em S. Pedro do Estoril perante umas largas dezenas de camaradas seus e que foi determinante para o despoletar do 25 de Abril de 1974).

«Meus caros camaradas, eu creio que vocês estão a perder o que têm de bom: energia e tempo, organização e vontade.

Estão a esgotar-se com um assunto que não vale a pena. Decididamente, não vale a pena.

O problema que vocês julgam que está no âmago disto tudo não vale um pataco e vai contra os nossos camaradas milicianos.

Eles também têm as suas razões, e não será pelo facto de vocês conseguirem levar a melhor, que tudo ficará resolvido. Pelo contrário, cada dia que passa, tudo se agrava.

E isso não é por uma questão de galões. O que vocês estão e todos nós, é agonizantes; simplesmente agonizantes.

Estrangulados por um regime que nos conduz directamente para o abismo, para a derrocada, aliás como o têm feito todos os regimes fascistas, nomeadamente os de Hitler e de Mussolini.

Todo o mundo olha para nós, oficiais do quadro permanente, como verdadeiros agentes do nazismo. Agentes das S.S.

E não podemos de forma alguma evitar essa execranda imagem, se não tomarmos a iniciativa de uma reabilitação, uma redenção aos olhos do nosso povo e dos outros povos do mundo, utilizando a nossa força para derrubar o governo.

Tenho ouvido falar, insistentemente, no abalado prestígio dos oficiais. Pois que esperam vocês daqueles, cujos filhos, irmãos, e noivos são enquadrados por nós, para as guerras de África, donde poderão regressar mutilados, loucos ou mortos?

Que crimes estamos todos a cometer em nome da Voz do Dono.

 

É preciso que acordemos do pesadelo; é preciso acabarmos de vez com a maldita guerra colonial, que nos consome tudo, incluindo a própria dignidade de militares profissionais de uma país civilizado.

Todas as nossas angústias, ansiedades e neuroses, se situam na tragédia para que fomos e estamos a ser lançados, por um tenebroso conluio, que tem a hipocrisia por fachada e o assassínio por norma.

E nós, que representamos a força das armas, por que esperamos?

E nós, que vemos todos os dias esses exemplos de coragem dos moços universitários?

Desarmados, enfrentam a polícia de choque, e não deixam amortecer um só dia a luta pela Liberdade.

E nós, homens de armas?

É uma vergonha. Devemo-nos sentir envergonhados. É bem feito que nos humilhem e nos olhem com rancor.

Somos a armadura da bestialidade e o bastião da brutalidade.

Não tenhamos ilusões: o governo só sai a tiro e os únicos capazes de o fazer sair somos nós; mais ninguém.

Se não o fizermos, a História nos julgará, como julgou os abencerragens de Hitler e com inteira razão.

Não devemos consentir que isso aconteça e que os vossos filhos e os meus netos se tenham de envergonhar de nós.

Impõe-se a Revolução Armada desde já, seja qual for o seu preço e as suas consequências.»

(CM)

 

 

Facebook Comments

Comentários no Facebook