Escola Profissional de Alte tem 18 jovens embaixadores do Parlamento Europeu

Escola Profissional de Alte tem 18 jovens embaixadores do Parlamento Europeu

982
PARTILHE
Os jovens embaixadores da Escola Profissional de Alte (Foto: D.R.)

A EPA – Escola Profissional de Alte é um dos estabelecimentos de ensino que está a executar o programa “Escola Embaixadora do Parlamento Europeu”, contando com a participação de 18 jovens embaixadores. E foram eles que decidiram sobre o plano de ação mais adequado e atrativo, tendo em vista os objetivos do programa. A EPA é a única representante do concelho de Loulé.

 

Como surgiu a ideia de se candidatarem a rede EPAS?
A EPA – Escola Profissional de Alte foi convidada através do Gabinete de Informação do Parlamento Europeu. Esta iniciativa tem como principal objetivo facultar aos alunos conhecimentos para uma maior consciencialização no que diz respeito à cidadania europeia. A nossa escola é um orgulhoso participante deste projeto. Sendo o único representante do concelho de Loulé.

Que adesão na Escola a esta ideia? Professores e alunos?
A EPA é um dos estabelecimentos de ensino profissional do nosso país que está a executar o programa “Escola Embaixadora do Parlamento Europeu”, contando com a participação de 18 jovens embaixadores. O projeto foi muito bem acolhido por professores e alunos e foi implementado de forma colaborativa.

Destaquem duas atividades/iniciativas emblemáticas
Os embaixadores a participaram no Terceiro Diálogo Transfronteiriço entre Portugal e Espanha sobre as Eleições Europeias 2019 sob o mote “O meu voto importa!”. O encontro tinha como objetivo debater algumas questões que serão certamente abordadas nas próximas eleições para o Parlamento Europeu em 26 de maio de 2019.

A outra iniciativa relevante foi a colocação de um painel de Informação sobre a UE, na Junta de Freguesia de Alte. Este painel tem como objetivo informar os utentes da junta sobre a EU e a importância do ato de votar.

Quem é a escola, quais os principais projetos?
A Escola Profissional Cândido Guerreiro existe desde 1992 e está situada em Alte, concelho de Loulé, em plena beira-serra e no centro geográfico do Algarve.

Mais do que projetos realizados, esta é uma “escola-projeto” e não poderia ser de outra forma, uma vez que o seu foco é preparar os jovens para um mercado de trabalho cada vez mais exigente e em que as competências pessoais de preparação para a vida, são um requisito fundamental. É por isso que a escola se envolve em projetos diversos – sempre em articulação com o meio local e regional – criando produtos alimentares inovadores, partindo muitas vezes de outros já existentes e acrescentando-lhe valor. É o caso do bombom de medronho, do “donut” de alfarroba, das amêndoas caramelizadas e das cascas de laranja envoltas em chocolate, que são produzidos pelos alunos do curso de Indústrias Alimentares, posteriormente vendidos em feiras pelos alunos de Comércio e distribuídos pelos alunos de Turismo aos turistas que realizam os percursos pedestres em Alte.

Mas porque somos uma pequena escola com grandes horizontes, ao abrigo do Programa Erasmus+, proporcionamos aos nossos alunos estágios internacionais e aos professores a possibilidade de conhecer outras realidades que depois são incorporadas nas atividades formativas da escola.

Esta é ainda uma escola que se prepara para receber o selo de “Escola Embaixadora do Parlamento Europeu”, garantindo assim que os nossos alunos estão conscientes das possibilidades que lhes oferece a sua cidadania europeia.

E os (bons) resultados estão à vista. Apesar das dificuldades decorrentes de uma localização difícil – Alte é um território de baixa densidade – temos uma taxa média de conclusão dos cursos de 75% e a taxa de empregabilidade e prosseguimento de estudos é de 97%.

No próximo ano letivo iremos abraçar um novo projeto, com a proposta de abertura do curso de Artes do Espetáculo-Interpretação. As indústrias criativas têm vindo a ganhar relevo, quer na diversificação da oferta na época alta, quer na atenuação da sazonalidade da atividade económica pela oferta de atividades culturais e criativas, destinadas ao público em geral ou a nichos específicos, em períodos menos habituais, aproveitando a amenidade do clima. Estamos crentes que esta será uma oferta importante para o concelho de Loulé, cujo município apresenta uma forte dinâmica ao nível de atividades culturais e criativas.

Em jeito de conclusão, a Escola Profissional Cândido Guerreiro é uma escola que forma bons técnicos para as principais áreas de desenvolvimento da região – Turismo, Comércio e Indústrias Alimentares – e que em paralelo se constitui como um projeto de desenvolvimento do interior algarvio.

Nesta escola “ninguém fica para trás”.

Quem são os embaixadores?
São 18 embaixadores juniores e o segundo ano do curso Técnico de Comércio, têm idades compreendidas entre os 17 e 20 anos. E foram eles que decidiram sobre o plano de ação mais adequado e atrativo, tendo em vista os objetivos do programa. Com este aprenderam mais sobre a União Europeia, tornando-se cidadãos conscientes e ativos. Os embaixadores chamam-se: Débora Vitória do Nascimento Guimarães, Diogo Tomás, Pereira Martins, Bruno da Silva, Diogo José Guerreiro Silva, Elton João Correia Gomes, Gonçalo Guerreiro Canhoto, Maria Regina Mota da Costa, Paulo Alexandre Nunes Paulino, Alícia Marques Mendes Pereira, Adriana Santos Martins, Ana Filipa Machado Guerreiro, João Carlos Lourenço Gonçalves, João Picado Marreiros, Luís Miguel da Conceição Guerreiro, Alexandre Miguel Reis Chevalbaque, António José Oliveira Guerreiro, Patricia António Ramos e Tomás Manuel Guerreiro Chaveca.

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook