O olhar fotográfico da ALFA para além das muralhas da cidade velha

O olhar fotográfico da ALFA para além das muralhas da cidade velha

411
PARTILHE
Rosária Pacheco;
Secretária da ALFA
– Associação Livre Fotógrafos do Algarve

A ALFA – Associação Livre Fotógrafos do Algarve tem o privilégio de se encontrar sitiada dentro das muralhas históricas da cidade velha. Quem visita a Torre da Sé Catedral pode avistar, entre os múltiplos telhados rendilhados, traça arquitetónica tão emblemática do Algarve, o seu telhado e perceber como a Galeria Arco possui uma das vistas mais emblemáticas da região: a Ria Formosa. Mas sendo a Alfa uma associação cuja ação se estende a todo o Algarve, o seu olhar fotográfico não consegue esquecer toda a beleza natural e patrimonial existente no interior algarvio, território, este, que se estende desde o barrocal até à serra.

 

A Galeria Arco possui uma das vistas mais emblemáticas da região: a Ria Formosa (Fotos: D.R.)

Esta inquietude própria dos fotógrafos apaixonados pela arte de captar o belo e interessante que a vida nos oferece a cada instante, leva-nos a querer empreender um projeto que visa estender a nossa arte fotográfica até estas regiões tão ricas em património humano e cultural, divulgando o que ainda se faz de bom nas nossas aldeias algarvias, pérolas patrimoniais da nossa região que conservam ainda intactas muitas das tradições do passado e, algumas delas, continuam ativas com os olhos postos num futuro que quer combater a desertificação crescente destas regiões mais remotas.

Janela de casa na aldeia de Estoi

Levar a nossa arte fotográfica até às aldeias e suas gentes, através de passeios fotográficos com um objetivo de interesse público que levará posteriormente à divulgação de todo o património existente, quer humano, quer cultural, quer arquitetónico, quer natural, será um caminho a empreender na ação dinamizadora que a ALFA quer levar a cabo nos próximos anos.

Um projeto que se encontra em fase inicial e que pretende contribuir para a valorização humana e cultural do nosso património mais escondido.

(Artigo publicado no Caderno Cultura.Sul de maio)

(CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook