Casal lésbico é brutalmente espancado em Londres por recusar beijar-se

Casal lésbico é brutalmente espancado em Londres por recusar beijar-se

619
PARTILHE
As jovens foram agredidas num autocarro noturno em Londres (Foto Retirada do Facebook de Melania Geymonat)

Um casal de mulheres foi espancado por um grupo de homens, dentro de um autocarro, em Londres.
O episódio, que ocorreu na passada quarta-feira, foi denunciado por uma das vítimas através de uma publicação de facebook.

Melania Geymonat, de 28 anos, e a namorada Chris, de 29, relatam que foram assediadas por um grupo de quatro homens no andar de cima de um autocarro noturno em Londres, quando se deslocavam para CamdenTown.

Ao aperceber-se de que as jovens eram um casal, os quatro homens “começaram a comportar-se como arruaceiros, exigindo que nos beijássemos para que pudessem assistir, chamando-nos lésbicas e descrevendo posições sexuais”.

“Não me lembro se eles já estavam lá ou se foram atrás de nós”, no entanto, “na tentativa de acalmar os ânimos e fazê-los ir embora, comecei a fazer piadas”, o que acabou por não resultar”, salienta a jovem.

“A Chris até fingiu que estava doente, mas eles continuaram a incomodar-nos, a atirar-nos moedas e a tornarem-se cada vez mais eufóricos em relação a nós”, continuou, salientando que, a certa altura, a namorada estava “no meio do autocarro a lutar contra eles”.

Assim que Melania interveio, Chris já estava com a cara a sangrar e a sofrer agressões de três dos atacantes.

“A próxima coisa que me lembro é que estava a ser agredida. Fiquei tonta ao ver o meu sangue e caí. Não me lembro se perdi a consciência ou não. De repente, o autocarro parou e a polícia estava lá”.

As jovens acabaram por ser transportadas para o hospital por causa das lesões faciais.

Segundo relata a BBC, “quatro adolescentes do sexo masculino com idades entre 15 e 18 anos foram presos” e estão a ser “interrogados por suspeita de roubo e danos corporais graves”.

Melania Geymonat disse ao World at One da Radio 4 da BBC que já tinha sido vítima de “muita violência verbal”, mas nunca “tinha sido atacada por causa da sua sexualidade”.

(Stefanie Palma / Henrique Dias Freire)

Facebook Comments

Comentários no Facebook