Festival MED aposta na música diferenciadora

Festival MED aposta na música diferenciadora

407
PARTILHE

As músicas do mundo continuam a ser o grande destaque do Festival MED naquela que será a sua 16ª edição, de regresso à Zona Histórica de Loulé entre os dias 27 e 30 de junho, até porque este é um dos eventos que integra a rota europeia de festivais de world music. No entanto, a organização volta a dar espaço a outros géneros musicais alternativos e tão díspares como o indie, o fado, a música clássica, o cante alentejano ou o folclore.

Assim, o Palco Bica promete voltar a surpreender e por aqui irão passar diferentes artistas sediados na região algarvia, com propostas musicais “fora da caixa”. A programação do espaço contará com a colaboração da Casa da Cultura de Loulé. Todas as noites irão pisar este palco um artista/banda e um DJ (com sets que terão curadoria de Sylva Drums).

Assim, no dia de arranque do Festival, 27, quinta-feira, sobem ao palco Teresa Aleixo (22h30) e os DJs Charlie Spot & Bruno Zarra com o espetáculo “Mediterranic Soul” (00h30).

Na sexta-feira, dia 28, é a vez dos farenses Sangah (22h30) darem-se a conhecer neste palco, enquanto que Henrique Pontes b2b Sylva Drums encerram a noite com “The Call of the Rhythms”.

Para sábado, 29 de junho, os Mundopardo (22h30) regressam ao MED, enquanto que DJ China&Gil Abrantes levam ao quintalão onde se encontra o Palco Bica o espetáculo “Moyo”.

Neste palco, diariamente, às 20h30, haverá a teatralização de alguns poemas da obra “Os Contos do Gin Tonic” de Mário Henrique Leiria. À semelhança da obra deste autor, os atores do Teatro Análise da Casa da Cultura de Loulé irão proporcionar um espetáculo onde irá imperar o humor e o sarcasmo.

Já no “Open Day”, domingo, 30 de junho, a partir das 22h00, as atenções voltam-se para a apresentação de mais uma edição do Festival de Jazz de Loulé. Para abrir o apetite para este evento que decorrerá de 25 a 28 de julho, o público poderá assistir a “The West Sessions”.

Num estilo mais intimista e também com uma envolvente gastronómica (espaço de restauração), os músicos Nanook e Marco Cristovam serão os protagonistas do Palco Arco, com a interpretação de temas intemporais, sempre com o conceito da música enquanto elemento de união dos povos.

É nos mesmos moldes, e dentro do mesmo espírito, que a voz doce da jovem Catarina Cavaco e o duo Amar Guitarra estarão no Palco Mercado para animar quem passa junto a este ex-líbris da cidade.

Anos após ano, há um número crescente de espetadores do MED que não perdem a proposta musical no interior da Igreja Matriz: o MED Classic. Num evento de world music não deixa de ser surpreendente concertos de música clássica realizados naquele que é um dos principais elementos do património eclesiástico do Concelho de Loulé, o que, de resto, tem merecido o aplauso do público. Este ano o programa do MED Classic inclui Udjat (27 de junho), F3 (28 de junho), Os Músicos do Tejo (29 de junho) e ainda o Ensemble de Flautas de Loulé (30 de junho). Os concertos têm início às 19h30.

O fado, Património Imaterial da Humanidade, volta a ter um espaço muito especial neste Festival. O MED Fado, pretende recriar a típica casa de fados lisboeta onde não faltam os petiscos tradicionais e, naturalmente, espetáculos com fadistas, neste caso oriundos da região algarvia mas com o fado a correr-lhes no sangue: Vânia Rodrigues e Pedro Viola (27 de junho), André Catarino e Helena Candeias (28 de junho) e Isa de Brito e Marta Sousa (29 de junho).

Outro Património Imaterial da Humanidade classificado pela UNESCO é o Cante Alentejano que estará representado no MED de Loulé, através de uma parceria com a Câmara Municipal de Almodôvar, pelo Grupo Coral Mondadeiras de Santa Cruz, Grupo Coral Estevas em Flôr, Grupo Coral Vozes da Aldeia, Grupo Coral Flores do Campo, Grupo Coral Vozes de Almodôvar, Grupo Coral Flores do Campo, Grupo Coral Vozes de Almodôvar, Grupo Coral Andorinhas do Rosário e Grupo Coral Amigos do Rosário.

Os ranchos do Concelho de Loulé trazem as tradições do corridinho a esta festa do mundo, mostrando a quem de fora visita o MED esta componente tão emblemática da cultura algarvia. Assim, irão dançar e cantar pelo recinto o Grupo Etnográfico da Serra do Caldeirão, Rancho Folclórico da Casa do Povo de Boliqueime, Rancho Folclórico e Etnográfico de S. Sebastião e Rancho Folclórico Infantil e Juvenil de Loulé.

O histórico Café Calcinha que assinalou recentemente 90 anos de existência receberá diariamente um momento de “Poesias do Mundo” trazidas por João Tapé. Mas é neste espaço que nos remete para a figura do poeta António Aleixo que também irão passar o cantautor Afonso Dias, o “tocador de castanholas” João Manuel Ferreira e o surpreendente acordeonista João Palma (este último, com uma atuação exclusiva no “Open Day”).

De resto, em cada canto e recanto, em cada beco e em cada praceta da Zona Histórica de Loulé a animação de rua será uma constante e a ideia é que haja uma interação permanente com o público que por aqui anda. Al-Fanfare, Ao Luar Teatro, Associação Artística Satori, Rhakatta, Eduardo Ramos ou a Música Suspensa são alguns dos performers que prometem surpreender.

Toda a programação em www.festivalmed.pt ou https://www.facebook.com/festivalmedloule/

Os bilhetes para o Festival MED já estão à venda em www.bol.pt

(SP/CM)

Facebook Comments

Comentários no Facebook