Município de Loulé reduz dívida orçamental em 70 milhões de euros

Município de Loulé reduz dívida orçamental em 70 milhões de euros

1373
PARTILHE
Vítor Aleixo, presidente da Câmara Municipal de Loulé no Dia do Município (Foto: D.R.)

À semelhança do que tem acontecido nos últimos anos, o presidente da Câmara de Loulé, Vítor Aleixo, apresentou esta quinta-feira, dia 30, um balanço do trabalho que tem sido
realizado e o que se projeta para o concelho nos próximos anos, no âmbito da sessão comemorativa do Dia do Município.

Este ano “o equilíbrio orçamental e a sustentabilidade financeira” estiveram em destaque no discurso do autarca.

Já não é novidade que Loulé é dos municípios do país com maior estabilidade nas suas contas mas o responsável louletano deu ontem a conhecer a todos os que estiveram na sala da Assembleia Municipal e a quem assistiu em direto através das redes sociais, os números que são bem expressivos: “atingimos o valor de dívida orçamental mais baixo dos últimos 8 anos, reduzindo-se de cerca de 95 milhões de euros para os atuais 25 milhões de euros (menos 74% desde 2011)”.

Segundo o autarca, é também graças ao equilíbrio das finanças municipais que é possível pensar e projetar o desenvolvimento do concelho. Desde logo no seu interior, numa clara aposta no combate à desertificação e ao declínio desta zona do território, através da redução da carga fiscal. “Implementámos uma minoração de 30% (máximo permitido por lei) na taxa mínima do IMI para as freguesias mais desertificadas e, mais recentemente, em 2019, diminuímos em 80% do valor das taxas a cobrar sobre a atividade económica em geral, ou seja, sobre a ocupação da via pública nessas mesmas freguesias”, referiu.

Também no que respeita ao desenvolvimento concelhio por via do apoio às famílias, Vítor Aleixo anunciou que está para breve a apresentação da Estratégia Local de Habitação 2019/2030, matéria já aprovada em reunião camarária e cujas políticas pretendem “promover o acesso à habitação para todos, permitindo criar soluções sustentáveis de habitação”.

Relativamente àquele que é um dos maiores problemas atuais nos centros urbanos em todo o país, o edil explicou que a autarquia está aqui a assumir “o papel central que é conferido aos municípios no contexto da Nova Geração de Políticas de Habitação, lançada recentemente pelo Governo”.

Num município que não esquece o seu passado, por exemplo através da valorização patrimonial como aconteceu com a recente reabilitação do Palácio Gama Lobo, Vítor Aleixo foi perentório ao afirmar que os projetos futuros são determinantes para “atrair investimento em áreas como a inovação, a saúde e o conhecimento” ou tornar Loulé num concelho “seguro e com uma forte dinâmica desportiva e cultural”.

Nesse sentido, o autarca elencou alguns dos investimentos em curso: requalificação da Escola EB 2,3 D. Dinis em Quarteira, os pavilhões multiusos em Quarteira e Almancil, os equipamentos que irão nascer no âmbito do protocolo com a Autoridade Marítima Nacional, o projeto ABC – Loulé Active Life, Health and Research, entre outros empreendimentos em áreas como o ambiente e combate às alterações climáticas, ação social, educação, cultura, desporto ou segurança.

“Loulé é cada vez mais um município moderno, competitivo, reconhecido a nível internacional, voltado para o futuro do seu território, mas sobretudo das suas gentes”, disse ainda o presidente da Câmara de Loulé neste Dia da Espiga em que os louletanos festejam também o seu dia.

(SP/HDF)

Facebook Comments

Comentários no Facebook